PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Ucrânia e separatistas pró-russos fazem troca de prisioneiros

27/12/2017 23h45

Gorlivka, Ucrânia, 28 dez 2017 (AFP) - As autoridades ucranianas e os separatistas pró-russos trocaram nesta quarta-feira (27) mais de 300 prisioneiros na zona leste rebelde da Ucrânia, em um dos intercâmbios mais significativos em quase quatro anos de guerra.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, recebeu os ucranianos libertados perto da linha de frente, antes de voar com eles a bordo de helicópteros para Jarkiv, o grande centro regional sob o controle de Kiev no leste do país.

"Por fim conseguimos", declarou o chefe de Estado ucraniano, no aeroporto de Jarkiv aos ex-prisioneiros, alguns deles vestidos com uniforme militar e com a bandeira ucraniana sobre as costas.

"Vamos duplicar ou até triplicar" os esforços para libertar os prisioneiros restantes, prometeu.

Na noite desta quarta-feira, os ucranianos libertados foram recebidos por centenas de pessoas no Aeroporto de Kiev, com bandeiras do país e ramos de flores, sob os gritos de "Glória à Ucrania! Glória aos heróis"!

Os familiares correram para abraçar seus entes queridos, alguns há mais de três anos detidos.

Fruto de difíceis negociações entre o presidente russo, Vladimir Putin, e seu homólogo Poroshenko que se prolongaram durante semanas, o intercâmbio beneficiou 73 prisioneiros detidos nas duas "repúblicas" autoproclamadas pelos rebeldes - Lugansk e Donetsk - e a 233 detidos pelas autoridades de Kiev.

Cirilo, patriarca da Igreja ortodoxa russa, também participou nas negociações.

No começo, a previsão era trocar 74 prisioneiros dos separatistas em troca de 306 dos detidos em Kiev, mas um total de 74 se negaram a mudar de lado, segundo a procuradoria ucraniana.

Esta operação, a primeira de prisioneiros em 15 meses, foi feira na linha de frente perto de Gorlivka, a cerca de 40 km da "capital" separatista de Donetsk.

A liberação dos prisioneiros é um dos pontos centrais dos acordos de paz de Minsk, assinados em fevereiro de 2015 e que permitiram que a intensidade dos combates fosse reduzida.

Segundo um comunicado do Parlamento ucraniano publicado nesta quarta-feira, os separatistas mantêm uma centena de prisioneiros.

Internacional