Polícia tailandesa recorre a DNA para achar dono de bilhete premiado

Bangcoc, 28 dez 2017 (AFP) - A Polícia tailandesa recorreu à checagem de impressões digitais e de DNA para solucionar o caso midiático de um bilhete de loteria premiado, reivindicado por duas pessoas.

Tudo começou com a denúncia apresentada por Preesha Kraikruan, um professor de 50 anos que diz ter perdido seu bilhete de loteria premiado. Mas os 30 milhões de bahts (770.000 euros) já tinham sido entregues a Sharoon Wimonpar, um policial aposentado de 62 anos.

"Esperamos os resultados dos testes de DNA que permitirão verificar se a denúncia é admissível", explicou à AFP Krissana Sapdet, da Polícia de Kanshanaburi, uma região do oeste da Tailândia onde o bilhete foi vendido.

Segundo veículos locais, o policial aposentado diz ter comprado o bilhete, mas não se lembra onde.

A loteria, administrada pelo governo, é uma verdadeira instituição na Tailândia. É uma das únicas formas possíveis de jogo de azar neste país do sudeste asiático, onde cassinos e apostas são proibidos.

Há dois sorteios por mês e neste país, muito supersticioso, os números da sorte e aqueles relacionados com o falecido rei são muito cobiçados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos