Governo adverte população contra manifestações 'ilegais' no Irã

Teerã, 30 dez 2017 (AFP) - A polícia dispersou neste sábado com gases lacrimogêneos os jovens que protestavam contra o poder em Teerã, depois que o Governo advertiu contra as "manifestações ilegais", no terceiro dia de marchas contra as dificuldades econômicas e o Executivo iraniano.

À noite, foi cortado o acesso a internet pelo celular em Teerã, conforme constataram jornalistas da AFP.

Durante o dia, dezenas de estudantes se concentraram neste sábado em frente à entrada principal da Universidade de Teerã para protestar contra o poder, antes de serem dispersados pelas forças de segurança com gases lacrimogêneos.

Centenas de estudantes pró-governo se mobilizaram para tomar o controle do lugar, acusando os outros manifestantes de "sediciosos", segundo vídeos publicados em redes sociais e na imprensa.

No final da tarde, centenas de pessoas se manifestavam em outras partes do bairro da universidade, gritando lemas contra o poder, até que a polícia antidistúrbios apareceu para dispersá-las.

A agência Mehr, próxima aos conservadores, publicou no aplicativo de mensagens Telegram -utilizado por 25 milhões de iranianos- vídeos em que manifestantes atacam a prefeitura do distrito nº2 de Teerã, virando um carro da polícia.

A imprensa também informou de caixotes incendiados e outros atos de vandalismo em Teerã.

Em outros vídeos difundidos pelo Telegram, milhares de manifestantes aparecem gritando "morte ao ditador" em protestos supostamente ocorridos em cidades como Khorramabad, Zanjan e Ahvaz, no oeste.

Segundo essas fontes, várias pessoas teriam sido mortas a tiros na província de Lorestan (oeste) em confrontos com a polícia.

No entanto, a autenticidade dos vídeos não pôde ser verificada, e os meios não informaram sobre protestos neste sábado em outras cidades além de Teerã.

No Twitter, o ministro das Telecomunicações, Mohammad-Javad Jahormi, acusou o Telegram - muito utilizado no Irã - de encorajar o "levantamento armado".

O diretor do Telegram anunciou o fechamento da rede Amadnews -que tem quase 1,4 milhão de assinantes- por ter incitado a "violência".

- "Manifestações ilegais" -Mais cedo, o ministro iraniano do Interior, Abdolreza Rahmani Fazli, tinha pedido "à população que não participe de manifestações ilegais, já que criarão problemas para si mesmos e para outros cidadãos".

Na quinta e na sexta-feiras, centenas de iranianos saíram às ruas em uma dezena de cidades em protestos contra o poder e as dificuldades econômicas.

Embora o número de manifestantes tenha sido limitado, esta foi a primeira vez, desde 2009, que tantas cidades iranianas foram tomadas por protestos sociais.

Por outro lado, o Governo mobilizou, neste sábado, dezenas de milhares de pessoas em várias cidades para celebrar o aniversário do fim da "revolta", os protestos antigoverno feitos em 2009, após disputadas eleições e a vitória de Mahmud Ahmadinejad para um novo mandato.

Opositores iranianos se manifestaram neste sábado em Paris e Berlim em solidariedade aos protestos no Irã.

Na capital francesa, cerca de 40 membros da diáspora iraniana protestaram em frente à embaixada do Irã na França pelo "fim das ingerências" na Síria e no Líbano.

Em Berlim, cerca de cem de opositores ao governo de Teerã se reuniram em frente à embaixada do Irã para pedir a liberação imediata dos manifestantes detidos e no país.

Neste sábado, pela primeira vez, a televisão pública iraniana abordou os protestos de quinta e sexta-feiras, afirmando que é preciso entender "as reivindicações legítimas" da população, embora tenha acusado os meios e os grupos "contrarrevolucionários" baseados no exterior de buscarem explorar esses eventos.

Dezenas de pessoas foram detidas desde quinta-feira, embora a maioria já tenha sido solta, segundo a emissora. Em algumas cidades, a polícia dispersou os manifestantes com jatos de água.

Os Estados Unidos condenaram as prisões, e seu presidente, Donald Trump, instou o Governo iraniano, através do Twitter, a "respeitar os direitos de seus cidadãos, incluindo o direito a se expressar".

O Ministério das Relações Exteriores iraniano reagiu dizendo que "o povo iraniano não dá nenhum valor nem crédito às declarações oportunistas dos responsáveis americanos e de Trump".

- "Sinal de alerta" -"Sinal de alerta para todo o mundo", intitulava neste sábado o jornal reformista Arman, enquanto se multiplicavam os pedidos ao governo para que adote medidas para solucionar os problemas econômicos do país.

A promessa de relançar a economia, debilitada pelas sanções internacionais, esteve no centro da campanha presidencial do presidente Hassan Rouhani, um religioso moderado reeleito em maio.

Apesar do levantamento de algumas sanções após o acordo sobre o programa nuclear iraniano, e de que se limitou a inflação a cerca de 10%, a taxa de desemprego no Irã continua sendo alta (12%, segundo dados oficiais).

"O país enfrenta grandes desafios, como o desemprego, os altos preços, a corrupção, a falta de água, as desigualdades sociais e o desequilíbrio do orçamento", tuitou Hesamodin Ashena, o conselheiro cultural do presidente Hassan Rouhani.

"As pessoas têm o direito de fazer ouvir sua voz", acrescentou.

sgh/bpe/sgf-jvb/eg/db/cc

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos