Confrontos no Irã deixam dez mortos, apesar de apelos de Rouhani

Teerã, 1 Jan 2018 (AFP) - Pelo menos dez pessoas morreram nas últimas horas no Irã, apesar do apelo à calma do presidente Hassan Rouhani e após vários dias de protestos contra o governo, a corrupção e a atual situação econômica no país.

Novos protestos voltaram a tomar as ruas de Teerã no começo da noite dessa segunda-feira, com uma forte presença policial, segundo veículos de mídia 'online', e imagens de pelo menos um carro em chamas foram difundidas pela imprensa local.

As redes sociais informaram que grupos relativamente pequenos gritavam frases contra o regime em zonas do centro da capital.

Segundo vídeos divulgados pela imprensa iraniana e nas redes sociais, na noite de domingo os manifestantes atacaram e incendiaram prédios públicos, centros religiosos e bancos, ou sedes do Bassidj (a milícia islâmica do regime). Os manifestantes também queimaram veículos policiais.

Os protestos contra o governo explodiram em Mashhad (nordeste) na quinta-feira passada e, depois, espalharam-se por todo país.

"O povo responderá aos agitadores e aos que descumprirem a lei", que são uma "pequena minoria", declarou Rouhani, segundo a página institucional on-line da Presidência iraniana.

Em novas críticas ao governo iraniano, o presidente Donald Trump afirmou que é "tempo de mudança" no Irã e que a população do país está "com fome" de liberdade.

"Os regimes opressivos não podem durar para sempre, e chegará o dia em que o povo iraniano enfrentará uma escolha", tuitou Trump.

Dois manifestantes morreram no domingo à noite (31) nos protestos na cidade de Izeh, no sudoeste do Irã - declarou o deputado local Hedayatollah Khademi, citado pela agência de notícias Ilna, ligada aos reformistas.

Outras duas pessoas morreram no domingo à tarde em Dorud, em um incidente indiretamente relacionado com os protestos.

Neste episódio, um grupo de manifestantes dominou um caminhão de bombeiros, largando-o do alto de uma descida. Na queda, bateu contra um veículo, cujos "dois passageiros morreram", declarou o governador local à emissora pública.

Outras duas pessoas haviam morrido no sábado, nessa mesma cidade do oeste do Irã, mas o vice-governador provincial garantiu que as forças da ordem não atiraram na multidão.

De acordo com a televisão pública iraniana, hoje, seis pessoas morreram na pequena cidade de Tuyserkan, elevando para dez o número de mortos nas manifestações nas últimas horas. Os seis morreram por "tiros suspeitos" em Tuyserkan.

- Direito a se manifestar -As manifestações continuaram no domingo à noite, embora o governo tenha limitado o acesso às redes sociais e bloqueado Telegram e Instagram. Ambos os aplicativos são usados para convocar manifestações.

Depois de três dias de protestos, Rouhani reconheceu que o Irã deve abrir "um espaço" para que a população possa expressar suas "preocupações cotidianas", mas condenou os atos de violência e a destruição de propriedades públicas.

"A crítica não é o mesmo que a violência e que destruir os bens públicos", disse em uma reunião do Executivo, acrescentando que "os órgãos do governo devem dar espaço para a crítica legal e para os protestos", segundo a rede de televisão pública.

"Isso deveria ficar claro para todo o mundo: somos uma nação livre e, em virtude da Constituição, [...] o povo é absolutamente livre para expressar suas críticas e inclusive para protestar", afirmou.

As manifestações começaram na quinta-feira em várias cidades, diante das dificuldades econômicas do país, isolado e submetido durante anos a sanções internacionais por suas atividades nucleares. Na sexta e no sábado, os protestos aumentaram, dirigindo-se contra o governo.

- Mais de 400 detenções -Segundo o vice-governador da província de Lorestan (oeste), houve distúrbios nas cidades de Nurabad, Dorud e Joramabad, e vários "agitadores" foram presos.

Também houve pequenas manifestações em Kermanshah (oeste), Shahinshahr (perto de Isfahan), Takestan (norte), Zankhan (norte), Toyeserkan (oeste) e Nahavand.

Em Teerã, a Polícia usou gás lacrimogêneo e água para dispersar o pequeno grupo de manifestantes que gritavam palavras de ordem contra o governo, no bairro da universidade.

Na capital, 200 pessoas foram detidas. Outras 200 acabaram presas em diferentes cidades da província, noticiou a imprensa local.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos