Protestos noturnos deixam nove mortos no Irã

Teerã, 2 Jan 2018 (AFP) - Nove pessoas - seis manifestantes, um garoto, um policial e um Guardião da Revolução - morreram durante protestos noturnos na região de Isfahan, no centro do Irã - anunciou a televisão pública iraniana nesta terça-feira (2).

Seis manifestantes morreram em confrontos com as forças de segurança, quando tentavam invadir uma delegacia da cidade de Qahderijan, na província de Isfahan, indicou a fonte.

Um menino de 11 anos morreu, e seu pai foi ferido por disparos de manifestantes em Khomeinyshahr, acrescentou a mesma fonte.

Um membro dos Guardiães da Revolução, força de elite iraniana, morreu vítima de um disparo de um fuzil de caça em Kahriz Sang, indicou a televisão estatal.

Na segunda-feira, as autoridades haviam anunciado a morte de um policial, vítima de um disparo de fuzil de caça, em Najafabad.

A televisão estatal indicou, por sua vez, que cerca de 100 pessoas foram detidas ontem à noite na província de Isfahan. Desde sábado, foram pelo menos 450.

"Pelo menos 200 pessoas foram detidas no sábado; 150, no domingo; e 100, na segunda", declarou o subprefeito de Teerã, Ali-Asghar Nasserbakht, à agência de notícias Ilna, ligadas aos reformistas.

"A situação em Teerã é mais tranquila do que nos dias anteriores. Ontem [segunda-feira], já estava mais tranquilo do que nos dias anteriores", disse Nasserbakht.

O vice-governador afirmou também que, por enquanto, não pediu apoio aos Guardiães da Revolução, encarregados da segurança da capital e estacionados na base de Sarollah. Até agora, apenas a Polícia intercedeu.

O general Esmail Kosari, número dois da base Sarollah, declarou à televisão oficial que "não permitiremos, de modo algum, que a insegurança continue em Teerã", completou.

Desde quinta-feira, o Irã registra manifestações de protesto contra o governo e a situação econômica do país, o desemprego e a corrupção.

No total, 21 pessoas morreram nessas manifestações iniciadas na quinta-feira passada em Machhad. Situada no nordeste do país, a segunda cidade mais populosa do Irã foi epicentro dos protestos.

A Turquia manifestou hoje sua preocupação com os protestos no Irã e advertiu para o risco de uma "escalada" e de "provocações".

De acordo com nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, "a Turquia está preocupada com as informações, segundo as quais as manifestações (...) se intensificam, deixando mortos".

"Deve prevalecer o bom senso para impedir qualquer escalada", acrescentou o comunicado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos