Topo

Kuczynski pede volta da estabilidade ao Peru ao nomear novo gabinete

09/01/2018 21h05

Lima, 9 Jan 2018 (AFP) - O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, pediu nesta terça-feira (9) a volta da estabilidade no país, após nomear um novo gabinete com o qual tentará superar a crise provocada pelo indulto concedido ao ex-chefe de Estado Alberto Fujimori.

"Os últimos 30 dias foram provavelmente inéditos na nossa vida política. Hoje vivemos momentos de exasperação, mas devemos apostar no entendimento para devolver a estabilidade ao nosso país", disse Kuczynski, ao fazer nove alterações em seu gabinete, de 19 ministros.

Sete mulheres integram o novo ministério, inclusive a recém-nomeada chanceler, Cayetana Aljovín, que acompanha Kuczynski desde o início de seu mandato, há um ano e meio, primeiro como ministra da Inclusão Social e depois de Minas e Energia.

Kuczynski pareceu ter feito um aceno ao APRA, partido social-democrata Alan García (1995-1990 e 2006-2011), ao nomear como ministros dois ex-militantes desta organização: Javier Barreda (no Trabalho) e Abel Salinas (na Saúde).

O APRA, no entanto, reportou através de sua conta no Twitter a expulsão de Barreda e Salinas do partido por não terem consultado sobre a iniciativa.

Para a pasta da Defesa foi nomeado Jorge Kisic, general da reserva da Força Aérea, enquanto que para a Cultura foi nomeado Alejandro Neyra, escritor e diplomata de carreira.

Nenhum dos novos ministros é identificado com o fujimorismo, embora se especulasse que poderiam entrar no gabinete seguidores do ex-presidente Fujimori (1990-2000) devido a que Kuczynski tinha prometido formar um governo de "reconciliação".

A promessa tinha sido feita pelo presidente após a renúncia de dois ministros devido ao indulto concedido na véspera do Natal para Fujimori, que cumpria pena de 25 anos de prisão por violação dos direitos humanos e corrupção.

"Não vou parar nem um minuto em tentar a reconciliação nacional", disse Kuczynski, que afirmou, após tomar o juramento dos novos ministros, que agora poderá se dedicar a atender os principais problemas do Peru, entre os quais mencionou a pobreza, a desigualdade no acesso aos serviços públicos, a insegurança e a corrupção.