Macron se nega a 'dar lições' sobre direitos humanos à China

Pequim, 10 Jan 2018 (AFP) - O presidente francês, Emmanuel Macron, não quer dar "lições" sobre direitos humanos à China, alegando que o gesto seria "totalmente ineficaz" - declarou na terça-feira (9) em sua visita de Estado a Pequim.

"Há diferenças entre nós que estão relacionadas com nossa história, com nossas filosofias profundas, com a natureza de nossas sociedades", defendeu Macron, na terça à noite, em sua declaração conjunta com o presidente chinês, Xi Jinping.

"Posso aproveitar para dar lições à China, falando com a imprensa francesa. Isso já aconteceu muitas vezes. Não dá qualquer resultado", disse aos jornalistas durante a visita a uma galeria de arte em Pequim.

"É totalmente ineficaz. Acredito na diplomacia do respeito recíproco. Devemos trabalhar em longo prazo", insistiu.

A ONG Human Rights Watch (HRW) havia pedido a Macron que reivindicasse "publicamente" do presidente Xi que o país fizesse melhoras nesse âmbito. A organização citava o caso de Liu Xia, a viúva do falecido prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo. Ela se encontra em prisão domiciliar sem ter sido condenada oficialmente.

Apesar de se negar a falar do tema em público, Macron confirmou ter abordado a questão dos direitos humanos durante sua visita.

"Abordei essas preocupações com o presidente Xi Jinping. Sabe que existe - na Europa, em particular - respeito às liberdades e aos direitos universais. E sei que, para ele, é um tema importante", afirmou Macron, a seu lado.

"Há conversas, não diante dos jornalistas, não de forma aberta, mas cara a cara, que podem ser úteis e dar resultados. Essas são as que eu prefiro", declarou o presidente francês.

leb-ehl/bar/ple/gm/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos