Papa se reunirá no Chile com vítimas da ditadura

Cidade do Vaticano, 11 Jan 2018 (AFP) - O papa Francisco se reunirá, durante sua visita ao Chile, com duas vítimas da ditadura militar de Augusto Pinochet, informou nesta quinta-feira (11) o porta-voz do Vaticano, Greg Burke.

Francisco, que inicia na próxima segunda-feira (15) viagem de quase uma semana ao Chile e ao Peru, receberá privadamente as "vítimas da repressão dos anos setenta", que lhe entregarão uma carta.

A reunião será celebrada no último dia de sua visita ao Chile, na cidade de Iquique, ao norte, antes de sua partida para o Peru, onde permanecerá até 21 de janeiro.

Burke informou que as duas vítimas da ditadura cumprimentarão o papa e não pronunciarão nenhum discurso.

O porta-voz papal também não quis dar detalhes sobre quem são nem como foram escolhidos.

O papa argentino, que vivei pessoalmente a dura repressão desatada em seu país pela ditadura militar na década de 1970, cumpre assim um gesto simbólico de reparação.

Durante a primeira e única visita até agora de um papa Chile, em 1987, João Paulo II apareceu na varanda do palácio presidencial de La Moneda acompanhado pelo general Augusto Pinochet, o que foi interpretado como um aval papal ao regime militar, o que gerou também muita irritação inclusive entre os católicos.

bur-kv/age/cc/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos