Acordo nuclear com Irã na corda bamba, à espera da decisão de Trump

Washington, 12 Jan 2018 (AFP) - O acordo histórico sobre o programa nuclear do Irã, defendido por Teerã e por outras potências signatárias, está novamente à espera da decisão do presidente Donald Trump sobre se restabelecerá sanções econômicas contra o país.

O republicano deveria ter tomado a decisão na quinta-feira (11), durante uma reunião com seus conselheiros, segundo um membro de seu governo. Um funcionário de alto escalão do Departamento de Estado disse que o anúncio foi adiado para esta sexta-feira.

Em meados de outubro, Trump se recusou a certificar para o Congresso americano que Teerã respeitava os termos do acordo assinado em 2015, espalhando confusão sobre o destino do texto. Esse documento foi negociado durante dois anos entre Irã, Alemanha, China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia.

Até agora, a falta de certificação era simbólica e não restabeleceu as sanções americanas. Essas medidas haviam sido suspensas em troca do compromisso de Teerã de não desenvolver uma bomba atômica.

- Europa após acordo -A suspensão é temporária e deve ser renovada regularmente pelo presidente.

Segundo funcionários americanos, Trump poderia estender - com reticências - essa suspensão, que vence neste fim de semana. Mas, em paralelo, poderia impor novas punições ligadas a outros problemas além do nuclear, como os direitos humanos, ou o respaldo a grupos extremistas no exterior.

"Acho que novas sanções podem ser esperadas", disse nesta quinta-feira à imprensa o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Na quinta-feira, o chanceler do Irã, Mohammad Javad Zarif, alertou que "todo ato que mine o acordo nuclear é inaceitável". Teerã ameaça adotar represálias, garantindo que se "prepara para todos os cenários".

No mesmo dia, em um telefonema com Trump, o presidente francês, Emmanuel Macron, sinalizou "a determinação da França a favor da aplicação rigorosa do acordo e a importância de que seja respeitado por todos os seus signatários".

Reunida em Bruxelas nesta quinta-feira, a União Europeia voltou a defender o pacto de Viena para fazer frente em bloco a Washington.

"O acordo funciona, cumpre seu objetivo principal, que é manter o programa nuclear iraniano sob controle e vigilância rigorosos", disse a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

O acordo "faz o mundo ser mais seguro e impede uma potencial corrida armamentista nuclear na região", insistiu Mogherini.

"O chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, indicou que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) 'confirma regularmente a boa aplicação' por parte do acordo do Irã. Por isso, não há dúvidas sobre o respeito aos seus compromissos", completou.

Hoje, Moscou também disse que é "extremamente importante preservar a viabilidade do documento", que "é resultado de um consenso entre vários participantes".

bur-fff/vog/val/lda/ll/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos