Maduro pede investigação de bispo por 'crimes de ódio'

Caracas, 15 Jan 2018 (AFP) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta segunda-feira (15) à Procuradoria e ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) que investigue um bispo no contexto da "Lei do Ódio", que estabelece penas de até 20 anos.

"Ele chamou o povo chavista de peste, teria que ver (...) se as palavras emitidas por algum desses personagens (da Igreja) não correspondem a verdadeiros crimes de ódio que pretendem gerar confrontos entre os venezuelanos", disse Maduro, no ato de apresentação de seu relatório de gestão à Assembleia Constituinte.

"Somos cristãos, já não acreditamos em intermediários e menos nesses diabos com batina, amamos nosso Deus criador, a nossa Divina Pastora (...), mas vem um diabo com batina chamar o confronto entre venezuelanos, a guerra civil", acrescentou Maduro.

O presidente fez a solicitação aos representantes da Procuradoria Geral, da Contraloria, da Defensoria Pública e do Tribunal Supremo de Justiça, todos acusados pela oposição de servir ao governo.

Sem citar nomes, Maduro fez referência ao bispo de San Felipe (estado Yaracuy), Víctor Hugo Basabe, que pediu à Virgem da Divina Pastora, que livre o país "da peste" da corrupção política que leva o país "à ruína moral, econômica e social", segundo a imprensa local.

Basabe se manifestou em uma missa celebrada durante a romaria em honra à Divina Pastora, celebrada neste domingo na cidade de Barquisimeto (250 km ao sudoeste de Caracas).

A Assembleia Nacional Constituinte aprovou em novembro do ano passado em novembro passado uma lei que castiga com penas de prisão de dez a 20 anos aqueles que "promovam o ódio", e também prevê tornar ilegais partidos e fechar veículos de comunicação que o incitem.

Um homem e uma mulher que protestaram no dia 3 de janeiro por falta de comida em Naguanagua, estado Carabobo, foram detidos e serão julgados por instigação ao ódio, na primeira aplicação da lei.

O texto foi proposto pelo presidente após protestos opositores que deixaram cerca de 125 mortos entre abril e julho do ano passado.

A oposição acusa o governo socialista de criminalizar o protesto e a dissidência con esta lei.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos