Policiais e 'terroristas' mortos em operação contra rebeldes na Venezuela

Caracas, 16 Jan 2018 (AFP) - Dois policiais e um número não detalhado de "terroristas" morreram na operação para capturar o ex-policial venezuelano Óscar Pérez, que em 2017 atacou edifícios governamentais de um helicóptero, informou o governo nesta segunda-feira (15).

"Esses terroristas, que estavam fortemente equipados com armamento de alto calibre, abriram fogo contra os funcionários encarregados de sua captura (...) com o lamentável balanço de dois funcionários da Polícia Nacional Bolivariana mortos e cinco gravemente feridos", expressou o comunicado do Ministério de Interior e Justiça.

Não se sabe se Pérez está entre os mortos e feridos durante o tiroteio que começou na madrugada desta segunda-feira.

O presidente Nicolás Maduro revelou que Pérez planejava atacar com explosivos a embaixada de um país que não citou.

"Apuramos que tinham preparado um carro-bomba para explodir diante da embaixada de um país querido que tem sua representação aqui", declarou o presidente.

Maduro disse ainda que o "confronto armado" ocorreu após as autoridades concederem aos rebeldes "todas as condições para sua rendição".

"Os grupos de comando tiveram que agir, alguns terrorista caíram e outros foram capturados. Há mais de cinco detidos que estão falando, contando tudo, os planos terroristas que tinham".

Segundo o comunicado oficial, os policiais "foram deslealmente atacados pelos violentos quando estavam negociando as condições para sua entrega e proteção".

Pérez, que em 27 de junho atacou edifício do governo de um helicóptero, foi ferido e encurralado por forças especiais em seu esconderijo nos arredores de Caracas.

O ex-funcionário publicou vídeos em seu Instagram para publicar em tempo real o tiroteio.

"Estão disparando contra nós com lança-granadas e atiradores de elite. Dissemos que íamos nos entregar e não querem deixar que nos entreguemos, querem nos matar", expressou Pérez em um vídeo em que aparece com o rosto ensanguentado e na companhia de outros homens armados.

Mais cedo, Diosdado Cabello, com forte influência nos organismos de segurança e nas Forças Armadas do país, confirmou a operação.

"O terrorista Óscar Pérez atacou aqueles que o cercam, ferindo dois funcionários da FAES (Força de Ações Especiais da Polícia), os corpos de segurança responderam ao fogo", escreveu.

O piloto e ator amador de 36 anos afirmou que foram cercados em uma estrada de El Junquito, a 25 quilômetros a noroeste de Caracas.

Jornalistas da AFP que tentavam chegar ao local, cujo acesso foi bloqueado pelas autoridades, viram passar um tanque do Exército, grupos de comandos especiais e ambulâncias.

O piloto tem publicado vários vídeos nos quais diz lutar contra a "narcoditadura" e "tirania" na Venezuela, e é acusado de "ataque terrorista" pelo governo e tem uma ordem de captura na Interpol.

Em dezembro, atribuíram a ele a autoria da "Operação Gênesis", que acabou na invasão a uma base militar em Laguneta de La Montaña, povoado do estado de Miranda (norte), onde foram roubados 26 fuzis Kalashnikov e três pistolas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos