Macron afirma que não permitirá nova 'selva' de migrantes em Calais

Calais, França, 16 Jan 2018 (AFP) - O presidente francês, Emmanuel Macron, declarou nesta terça-feira que a França "não deixará que surja uma nova forma de 'Selva' em Calais", referindo-se ao enorme acampamento informal de migrantes desmantelado há mais de um ano nesta cidade do norte do país.

"Em nenhum caso, vamos permitir que uma nova 'Selva'' seja formada" em Calais, disse Macron em visita a esta emblemática cidade portuária da crise migratória na Europa, na qual o presidente defendeu sua política migratória.

"Tudo está sendo feito para tornar a passagem ilegal em Calais [para o Reino Unido] impossível", acrescentou Macron em um discurso às forças policiais. O presidente também pediu uma "política europeia coerente" e enfatizou as "inconsistências" da política europeia de asilo, cujas consequências são sentidas "em vários casos" em Calais.

"É preciso tratar de forma mais adequada os casos dos menores desacompanhados, reforçar a cooperação policial em Calis e desenvolver um fundo para apoiar projetos importantes", pontuou o presidente.

Paris planeja uma revisão dos acordos de Touquet, que estabelece desde 2004 a fronteira em Calais. O governo britânico está pronto "para ouvir os argumentos" de Paris, segundo fontes citadas pelas imprensa.

Macron vai se reunir com a primeira-ministra britânica Theresa May na quinta-feira. Na ocasião, Paris espera pedir aos britânicos "ajuda para fazer Calais se desenvolver e assumir a responsabilidades por um certo número de migrantes", segundo apontou o ministro do Interior Gérard Collomb.

O presidente francês também aproveitou a ocasião nesta terça para criticar o sistema de Dublim, segundo o qual o país competente para determinar se deve ou não dar asilo a um refugiado é aquele em que as impressões digitais do refugiado foram tomadas pela primeira vez.

O sistema de Dublin "está cheio de inconsistências, mas, em qualquer caso, atualmente não é satisfatório", disse.

Macron também visitou um centro de acolhimento de migrantes em Croisilles (norte), que recentemente abriu suas portas para acomodar estrangeiros que aguardam uma decisão administrativa sobre sua situação.

Acompanhado por quatro de seus ministros, incluindo o ministro do Interior, Gérard Collomb, e a ministra da Justiça, Nicole Belloubet, o chefe de Estado francês também se reuniu com eleitos locais, atores econômicos e associações que ajudam os migrantes.

A situação no principal porto francês onde se cruza o Canal da Mancha é menos crítica do que 14 meses atrás, antes do fechamento da "Selva", que chegou a ter 8 mil migrantes.

Entre 350 e 500 migrantes, de acordo com o Estado, permanecem em Calais, onde vivem em condições difíceis. A maioria vem de países como Etiópia, Eritreia e Afeganistão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos