EUA prende ex-agente da CIA suspeito de espionar para China

Washington, 17 Jan 2018 (AFP) - As autoridades dos Estados Unidos detiveram um ex-agente da CIA residente em Hong Hong que teria revelado a identidade de informantes da Agência, supostamente para a China, informaram a imprensa americana e o departamento de Justiça.

O cidadão americano naturalizado Jerry Chun Shing Lee, também conhecido como Zhen Cheng Li, foi detido na segunda-feira, ao desembarcar no Aeroporto Internacional JFK de Nova York.

Segundo uma ação apresentada à Corte Federal de Nova York, em 2012 agentes do FBI vasculharam a bagagem de Lee quando este viajava pelos Estados Unidos e encontraram em seu poder material secreto ao qual não poderia ter acesso.

"Os agentes encontraram em pequenos livros anotações manuscritas com informação secreta, incluindo os nomes verdadeiros e números de telefone de informantes e agentes encobertos da CIA, notas de reuniões de agentes ativos, locais de encontro e localização de instalações secretas", assinalou o departamento de Justiça.

The New York Times revelou que entre 2010 e o final de 2012 os chineses mataram "ao menos uma dúzia de fontes" da CIA dentro da China e prenderam ao menos outros seis informantes.

A busca pela fonte dos vazamentos na Agência levou à identificação de uma pessoa que havia trabalhado para a CIA e morava na Ásia, assinalou o jornal, acrescentando que na ocasião não existia evidências suficientes para se deter o suspeito.

Mas outros na Agência atribuíram os vazamentos a um trabalho descuidado e não a um informante, ainda segundo o Times.

Lee foi denunciado por retenção ilegal de informação de defesa, crime passível de até dez anos de prisão.

Os funcionários do departamento de Justiça não esclareceram por que motivo se esperou mais de cinco anos para a apresentação da denúncia contra Lee, e se de fato as informações secretas caíram nas mãos de outros países.

Lee, 53 anos, cresceu nos Estados Unidos e serviu no Exército antes de entrar para a Agência Central de Inteligência, em 1994, onde atuou em diversos países até abandonar a CIA, em 2007, para se instalar em Hong Kong.

O caso ocorre em meio à crescente preocupação da comunidade de Inteligência dos Estados Unidos sobre a capacidade do governo chinês para bloquear as operações de espionagem em seu território.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos