Violência policial no Brasil continua desenfreada, alerta HRW

Brasília, 18 Jan 2018 (AFP) - A Human Rights Watch (HRW) alertou nesta quinta-feira (18) que a violência policial no Brasil continua desenfreada e pediu às autoridades para tomarem medidas a fim de reduzir as execuções extrajudiciais.

Segundo o informe da organização sobre a situação dos direitos humanos em 90 países, no Brasil morreram 4.224 pessoas pelas mãos da Polícia ao longo de 2016, 26% a mais que no ano anterior.

Nesse mesmo ano, 437 agentes das forças de segurança foram assassinados no Brasil, a sua maioria fora de serviço.

"Enquanto algumas das mortes causadas pela Polícia são resultado do uso legítimo da força, outras são execuções extrajudiciais", afirma a ONG.

"A Polícia no Brasil precisa desesperadamente da cooperação da comunidade para combater os altos índices de criminalidade que afligem o país", destacou María Laura Canineu, diretora da HRW Brasil.

Mas "enquanto alguns policiais agredirem e executarem pessoas impunemente, a comunidade não confiará na Polícia", acrescentou.

A ONG assinala que as execuções cometidas por alguns agentes colocam em risco a vida de seus colegas, que muitas vezes sofrem represálias durante os confrontos com criminosos.

Os negros (76,2%) e os jovens (81,8%) são as principais vítimas da violência policial.

A HRW também criticou a implementação "incompleta" da lei "Maria da Penha", que desde 2006 endureceu as condenações por violência doméstica.

"As delegacias especializadas na mulher têm recursos humanos insuficientes, geralmente fecham durante a noite e nos fins de semana, e estão concentradas nas grandes cidades", afirma o relatório.

"Milhares de casos por ano não são devidamente investigados" e "casos de violência doméstica que permanecem impunes tipicamente se agravam e podem levar à morte", acrescenta.

Em 2016, 4.657 mulheres foram assassinadas no Brasil, segundo os últimos dados da ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

No total, o país registrou 61.619 mortes violentas esse mesmo ano, uma cifra recorde.

A HRW também alertou sobre uma série de leis que são estudadas pelo Congresso e pretendem aumentar o tempo máximo de prisão de adolescentes infratores e permitir que jovens de 16 e 17 anos que cometam crimes graves sejam julgados como adultos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos