Facilitadores propõem eleições presidenciais na Venezuela no segundo semestre

Caracas, 19 Jan 2018 (AFP) - As eleições presidenciais na Venezuela podem ser programadas para o segundo semestre deste ano, de acordo com um rascunho do acordo proposto ao governo e à oposição pelos chanceleres facilitadores do diálogo.

"As eleições presidenciais se realizarão no segundo semestre de 2018", afirma a primeira página do texto que Jorge Rodríguez, chefe negociador do governo de Nicolás Maduro, exibiu à imprensa em Santo Domingo.

Rodríguez não se referiu ao conteúdo do documento, datado de 2 de dezembro, mas afirmou: "Este é o rascunho do acordo e temos trabalhado duro e profundamente".

Ele rejeitou a decisão da opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) de não participar das reuniões programadas para quinta e esta sexta-feira. Os delegados do governo viajaram para a República Dominicana e se encontraram com alguns facilitadores do diálogo.

O acordo, se aprovado na retomada dos contatos, descartaria o cenário levantado por analistas e opositores de um avanço nas eleições presidenciais - previstas para o final do ano - para o primeiro semestre, buscando aproveitar as divisões da MUD.

Ao mencionar as medidas que regem as eleições - no qual Maduro buscará a reeleição -, o documento propõe "a integração de um novo Conselho Nacional Eleitoral, até janeiro de 2018 (...) com 5 reitores, dois nomeados pelo governo, dois pela oposição e um por comum acordo".

No entanto, nas anotações do texto mostrado por Rodríguez há uma contraproposta: "Designação dos dois reitores com o prazo expirado, de comum acordo".

A MUD acusa quatro dos cinco reitores do Conselho Eleitoral de servir ao governo e de ter permitido processos fraudulentos nas últimas eleições para governadores, prefeitos e da Assembleia Nacional Constituinte.

Embora tenha assegurado que o rascunho foi praticamente acordado, acusou a MUD de "desculpas inúteis" para evitar as negociações e "boicotar" as eleições presidenciais.

A MUD se recusou a participar das reuniões de ontem e hoje porque os chanceleres do México e do Chile - seus convidados para o diálogo como facilitadores - não poderiam comparecer. Somente aqueles da Bolívia e Nicarágua, propostos pelo governo.

Além disso, os opositores apontaram as insinuações do governo de que os negociadores da MUD traíram o piloto Óscar Pérez, um ex-policial que se rebelou contra Maduro em 2017 e que foi morto em uma operação na última segunda-feira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos