Papa alerta sobre ameaças a povos da Amazônia e corrupção

Lima, Perú, 19 Jan 2018 (AFP) - Em visita pela primeira vez à Amazônia, o papa Francisco pediu nesta sexta-feira (19) ao Peru para defender o pulmão do planeta, respondendo ao pedido de ajuda dos índios com os quais se reuniu em Puerto Maldonado.

"Provavelmente os povos amazônicos originários nunca estiveram tão ameaçados em seus territórios como estão agora", disse o pontífice, que lamentou as "profundas feridas que a Amazônia e seus povos levam consigo".

Chegado de manhã a Puerto Maldonado, no sudeste do país e rodeado de florestas, o Papa argentino foi diretamente ao Coliseu, um edifício onde era ansiosamente esperado por 3.500 índios peruanos, brasileiros e bolivianos.

O Papa foi recebido com cantos e danças de diferentes tribos, com suas vestimentas tradicionais, alguns deles coroados com penas e colares de dentes de animais.

Após ouvir os índios lhe contarem as ameaças que pairam sobre suas terras ancestrais, o Papa denunciou "a forte pressão dos grandes interesses econômicos que dirigem sua voracidade sobre petróleo, gás, madeira, ouro e monoculturas agroindustriais" sobre esta imensa floresta.

Também criticou as políticas que, em nome da conservação da floresta, "acumulam grandes extensões de florestas e negociam com elas", "oprimindo os povos originários" e expulsando-os de suas terras.

"Temos que quebrar o paradigma histórico que considera a Amazônia como uma fonte inesgotável dos Estados sem levar em conta seus habitantes", disse o Papa argentino.

Os povos originários esperam que o Papa se torne seu advogado de defesa.

"Pedimos a ele que nos defenda", pois "os nativos são sobreviventes de muitas injustiças", disse Yésica Patiachi, do povo Harakbut.

- 'Não deixar que as mulheres sejam pisoteadas' -Em uma região da qual o Estado está praticamente ausente, o papa também condenou o tráfico de seres humanos, que não é outra coisa além de "escravidão", e a violência das quais são vítimas.

"Nos acostumamos a usar o termo 'tráfico de pessoas' (...), mas, na realidade, deveríamos falar de escravidão: escravidão para o trabalho, escravidão sexual, escravidão para o lucro", disse.

Assim como as florestas e os rios são "usados até o último recurso e depois deixados vazios e sem função", as pessoas "também são tratadas sob essa lógica", acrescentou, antes de criticar os programas de esterilização, como os que o Estado peruano usou durante o governo de Alberto Fujimori, nos anos 1990.

"Não se pode 'naturalizar' a violência com as mulheres (...). Não é certo olhar para o outro lado e deixar que tantas mulheres, especialmente adolescentes, sejam 'pisoteadas' em sua dignidade", continuou, na presença do presidente Pedro Pablo Kuczynski, para quem esta visita é um respiro para que esqueçam por um momento sua delicada situação política.

- Exortação contra a corrupção -Após um encontro emocionado com cerca de 200 crianças do lar El Principito, fundado por um religioso suíço para acolher vítimas do abandono, do trabalho infantil, ou da violência, o Papa argentino almoçou com nove nativos de diferentes etnias antes de retornar a Lima, onde se reuniu com o presidente, perante quem fez uma exortação contra "o vírus da corrupção, que infecta tudo".

"Quanto mal faz aos nossos povos latino-americanos e às democracias deste bendito continente esse vírus social, um fenômeno que infecta tudo", disse o papa na recepção oferecida pelo presidente, em meio a uma crise por corrupção.

Kuczynski teria recebido da empreiteira Odebrecht quase cinco milhões em assessorias a empresas ligadas a ele quando era ministro do então presidente Alejandro Toledo (2001-2006).

Puerto Maldonado foi a única cidade de sua viagem, iniciada na segunda-feira no Chile, na qual o pontífice não presidiu uma missa.

- Mineração, fator 'crítico' -Puerto Maldonado é a capital da mineração ilegal do Peru, que gera lucros de um bilhão de dólares por ano, mas não deixa benefícios aos povos originários nem à Receita, que perde a arrecadação de cerca de 350 milhões de dólares por ano em impostos, segundo cifras oficiais.

Além disso, o mercúrio utilizado para amalgamar o ouro contamina os rios.

"No sul do Peru, a atividade mineradora é o fator mais crítico" do desmatamento, assegura Matt Finer, diretor do projeto Maap (controle dos Andes amazônicos), formado por duas associações ecologistas, uma local e outra americana.

A destruição da Amazônia se acelerou em 2017 com um recorde de 20 mil hectares devastados, o equivalente a 28.500 campos de futebol, segundo o Maap.

No sábado, Francisco prosseguirá sua visita a Trujillo (norte), e no domingo a concluirá com uma missa multitudinária em Lima, onde algumas pessoas vendem ingressos para ver o Papa, apesar da entrada ser gratuita.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos