Odebrecht combinou propina de US$ 3 milhões com guatemalteco detido nos EUA

Cidade da Guatemala, 22 Jan 2018 (AFP) - A empreiteira Odebrecht combinou uma propina de 3 milhões de dólares com o ex-candidato presidencial guatemalteco Manuel Baldizón, preso nos Estados Unidos por violar leis migratórias, revelou nesta segunda-feira (22) a procuradora-geral Thelma Aldana.

A funcionária disse a jornalistas que o acordo comprometia o partido de Baldizón no Congresso a outorgar à Odebrecht uma concessão milionária para a reabilitação e ampliação de uma rodovia no país.

O acordo data de 2013, quando o partido do ex-candidato, o desaparecido Liberdade Democrática Renovada (Líder, direita), tinha maioria no parlamento.

A procuradoria afirmou que até agora tem "conhecimento de três entregas de aproximadamente de 1,2 milhão de dólares". A procuradora adiantou que há testemunhas do caso no Brasil.

Baldizón foi detido neste sábado em Miami, nos Estados Unidos, por violar leis migratórias e no domingo solicitou refúgio, denunciando uma perseguição política.

Se o refúgio for concedido por um juiz americano, ele não poderá ser extraditado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos