Espanha declara 'persona non grata' embaixador da Venezuela

Madri, 26 Jan 2018 (AFP) - O governo da Espanha declarou nesta sexta-feira (26) "persona non grata" o embaixador venezuelano em Madri, Mario Isea, um dia depois de Caracas ter feito o mesmo com o embaixador espanhol.

"O governo responde de forma proporcional e, por isto, decidiu em estrita aplicação do princípio de reciprocidade, declarar 'persona non grata' o embaixador da Venezuela na Espanha", afirmou o porta-voz do governo, Íñigo Méndez de Vigo.

O embaixador Isea já havia sido convocado para consultas na quarta-feira por seu governo e "não está na Espanha", indicou Méndez de Vigo.

Há anos, o governo de Rajoy e o do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, mantêm um relacionamento ruim.

A tensão aumentou esta semana, quando, na segunda-feira (22), a União Europeia (UE) adotou sanções contra sete autoridades venezuelanas, incluindo o número dois do chavismo, Diosdado Cabello, o ministro do Interior, Néstor Reverol, e a presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena.

A Venezuela acusa a Espanha de ter pressionado a UE a adotar tais sanções e, na terça-feira, em um evento público, Maduro atacou o presidente do governo, Mariano Rajoy, acusando-o de ser "racista" e "colonialista" e de "liderar o governo mais corrupto" da história da Espanha.

No dia seguinte, o líder conservador espanhol contestou esses ataques e reafirmou sua posição, defendendo que as sanções eram "bem merecidas" diante das "decisões brutais e a maneira de entender a democracia de Maduro".

A partir desse momento, a crise aberta se acelerou.

Na mesma quarta-feira, citando uma "agressão intervencionista e colonialista do Reino da Espanha", a Venezuela convocou para consultas seu embaixador em Madri, Mario Isea. No dia seguinte, o governo de Maduro declarou "persona non grata" o embaixador do país europeu em Caracas, Jesus Silva.

Ele foi informado que teria 72 horas para deixar o país, segundo informações do Ministério espanhol das Relações Exteriores à AFP.

A crise aberta entre Madri e Caracas ocorre quando a Venezuela se prepara para eleições presidenciais antecipadas, que devem acontecer em 30 de abril, no mais tardar.

Maduro espera vencer o pleito, em meio à grave crise política e econômica. Ontem, o Fundo Monetário Internacional (FMI) indicou que se espera, para 2018, uma queda de 15% do PIB e uma inflação de até 13.000% no país.

A oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD) não poderá participar das eleições, em razão de uma recente decisão da Suprema Corte de Justiça da Venezuela.

A ordem da Justiça provocou surpresa e raiva entre uma oposição dividida e sem um líder claro, que agora deve procurar candidatos para enfrentar Maduro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos