Israel acusa Polônia de querer "mudar a História" com voto de uma lei

Jerusalém, 27 Jan 2018 (AFP) - Israel acusou neste sábado a Polônia de querer "mudar a História", no dia seguinte do voto pela câmara dos deputados polonesa de uma lei vinculada ao holocausto dos judeus que sanciona o uso do termo "campos da morte poloneses".

Esta lei prevê uma pena de até três anos de prisão para os poloneses ou estrangeiros que usem esse termo para designar os campos de extermínio instalados na Polônia pelos nazistas quando ocupavam esse país durante a Segunda Guerra Mundial.

O texto ainda será votado pelo Senado e assinado pelo presidente.

Segundo um comunicado do governo israelense, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu instruiu a embaixadora de Israel em Varsóvia para que se reúna com o primeiro-ministro polonês neste sábado à noite para "expresar sua firme oposição a essa lei".

Segundo a agência polonesa PAP, a embaixadora israelense Anna Azari pediu a Varsóvia que mude a lei, por ocasião de uma cerimônia no sábado pelo 73º aniversário da libertação do acampamento de Auschwitz, que coincide com o dia internacional de comemoração em memória das vítimas do holocausto.

Para os poloneses, o uso do termo "campo da morte polonês" dá a impressão de que seu país é responsável pelo holocausto judeu.

Para Israel, este texto é uma tentativa de negar a participação da Polônia no extermínio dos judeus pelos nazistas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos