Macri à AFP: Argentina "não vai reconhecer" as próximas eleições na Venezuela

Paris, 27 Jan 2018 (AFP) - O presidente argentino, Mauricio Macri, afirmou neste sábado em uma entrevista à AFP que seu país "não vai reconhecer" o resultado das próximas eleições presidenciais na Venezuela, das quais foi excluída a coalizão opositora por decisão judicial.

"A Argentina não vai reconhecer essa eleição", afirmou o mandatário argentino, ao estimar que o dirigente venezuelano, Nicolás Maduro, tranformou a Venezuela em uma "ditadura".

A Corte Suprema da Venezuela - acusada pela oposição de servir ao governo - excluiu nesta quinta-feira à coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD) das eleições presidenciais antecipadas que se celebrarão antes de 30 de abril, deixando o caminho livre para Maduro renovar seu mandato.

A decisão causou surpresa e frustração entre uma oposição dividida e sem um líder claro, que agora deverá buscar candidatos para enfrentar Maduro.

"Maduro preocupou toda a região e o mundo inteiro, gerou otimismo com as mediações de líderes mundiais, mas a única coisa que ele fez foi continuar subjugando os direitos humanos", disse Macri, em uma entrevista em Paris, onde concluiu neste sábado uma viagem internacional.

- Novas sanções? -Em relação a possíveis sanções latino-americanas contra Caracas, Macri disse que é uma questão que continuará a ser explorada". Mas ele é pessimista. "Tudo o que estava ao nosso alcance já foi feito".

Na sexta-feira, o presidente francês Emmanuel Macron, que abordou a crise venezuelana com Macri, se declarou "favorável" a ampliar as sanções europeias contra a Venezuela, considerando-se o "viés autoritário inaceitável do regime" de Maduro.

O presidente francês ressaltou, no entanto, que a eficácia das medidas da União Europeia é limitada e apontou a necessidade de que outros países "que tenham maiores laços econômicos" com a Venezuela também apliquem sanções.

Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil, fundadores do Mercosul, suspenderam no ano passado de forma unânime e indefinida a Venezuela do bloco por "ruptura da ordem democrática".

Mas na prática, essa decisão mudou pouco ou nada a situação do país caribenho, que já se encontrava suspenso do Mercosul desde dezembro de 2016 por descumprir obrigações comerciais contraídas quando se incorporou ao bloco.

Perguntado sobre a possibilidade de ser mediador na crise venezuelana, Macri descartou totalmente esta opção. "Eu expressei, talvez tenha sido o primeiro, com força, qual é a minha opinião sobre o que Maduro está fazendo, motivo pelo qual não sou a pessoa indicada", disse ele.

E acrescentou: "neste ponto, acho que [Maduro] não está interessado, ele deixa claro que quer ter um domínio sobre a Venezuela por muitos anos e que quem não gostar do que ele faz deve sair da Venezuela ".

Nicolás Maduro espera renovar seu mandato no meio a uma profunda crise política e econômica.

- 'Me voy de Francia con buenas noticias' -O presidente argentino concluiu sua viagem internacional na França neste sábado. Ele foi à Rússia, onde se encontrou com o presidente Vladimir Putin, e ao Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, onde disse que "confirmou vários investimentos" em diversas áreas, como a mineração. e infraestruturas.

Macri, que durante essa viagem fez uma forte defesa das reformas empreendidas por seu governo, disse que sentiu "tranquilidade" entre os investidores europeus, especialmente após a vitória da aliança governante Cambiemos nas eleições de outubro do ano passado.

"Eles sabem que estamos no caminho certo, que vamos cumprir os objetivos que estabelecemos para diminuir o déficit em um ponto por ano, reduzindo a inflação para um dígito", afirmou.

Macri, de 58 anos, enfrenta o desafio de cumprir as promessas eleitorais que o levaram ao poder em 2015, como a redução da inflação, que continua alta, com 25% em 2017, e a atração de investimentos estrangeiros, que nos últimos dois anos apenas se concentraram no setor financeiro de curto prazo.

O presidente argentino, que conversou com a AFP em um hotel parisiense antes de assistir à partida de futebol disputada entre PSG e Montpellier, também se referiu ao acordo comercial em negociação entre a União Européia e o Mercosul, que está em desenvolvimento há quase duas décadas.

"Estou partindo [da França] com boas notícias", disse ele, enfatizando as declarações feitas por Macron de que o acordo comercial entre os dois blocos "pode ser bom para ambas as partes" e que é "pertinente concluí-lo rapidamente".

A próxima semana será "uma semana-chave" em Bruxelas, assegurou, torcedo para que se chegue a um acordo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos