FBI questiona memorando que o acusa de espionar campanha de Trump

Washington, 31 Jan 2018 (AFP) - O FBI, a Polícia Federal dos Estados Unidos, questionou nesta quarta-feira (31) um memorando confidencial no qual é acusado de espionar a campanha eleitoral do presidente Donald Trump, horas depois de o chefe de Estado se pronunciar a favor de sua divulgação.

O relatório mantém Washington em alerta, em um momento em que o procurador especial Robert Mueller, que investiga a possível interferência da Rússia nas eleições de 2016 para favorecer a Trump, busca interrogar o presidente.

Os republicanos, que controlam o Executivo e o Congresso, votaram na segunda-feira pela publicação do memorando, redigido por Devin Nunes, presidente da Comissão de Inteligência da Câmara de Representantes e próximo a Trump.

Segundo os republicanos, o relatório mostra como o Departamento de Justiça (DoJ), durante o governo de Barack Obama e também no atual, buscaram prejudicar Trump.

Mas o DoJ e seu Escritório Federal de Investigação (FBI, em inglês) se opõem firmemente à publicação do texto por considerar que inclui informação altamente sensível sobre operações de contrainteligência dos Estados Unidos.

O FBI insistiu nesta quarta-feira em uma declaração que coloca em dúvida a "exatidão" da informação apresentada no documento de quatro páginas.

"Como expressamos durante nossa revisão inicial, temos sérias preocupações sobre omissões de fatos materiais que afetam fundamentalmente a exatidão da nota", disse o FBI, criticando a "oportunidade limitada" que teve de repassar o relatório antes que sua publicação fosse votada.

- "100%" -Trump tem até sábado para frear a divulgação se considerar que compromete a segurança nacional.

Mas ao sair do Capitólio depois de seu discurso sobre o estado da União na terça-feira, Trump disse que apoia a publicação do polêmico documento.

"Senhor presidente, divulguemos o memorando", disse o congressista republicano da Carolina do Sul Jeff Duncan, ao que Trump respondeu: "Não se preocupe, 100%". E acrescentou: "Pode imaginá-lo?".

O chefe de gabinete de Trump, John Kelly, disse na quarta-feira que os conselheiros de Segurança Nacional da Casa Branca estavam examinando o documento.

"Estão dividindo-o em pedacinhos, analisando para que saibamos o que significa e o que supõe", declarou à rádio Fox. "Será divulgado bastante rápido, creio, e todo mundo poderá vê-lo".

Segundo analistas, isto pode afetar a continuidade do diretor do FBI, Christopher Wray, mas também do número dois do DoJ, Rod Rosenstein.

O memorando de Nunes relata, segundo meios de comunicação locais, como foi espionado Carter Page, um assessor da campanha eleitoral de Trump com muitos contatos em Moscou.

Para conseguir autorização sob a Lei de Vigilância da Inteligência Estrangeira (FISA, em inglês), o DoJ se baseou em um "dossiê" compilado pelo ex-espião britânico Christopher Steele e parcialmente financiado pela campanha da adversária de Trump nas eleições de 2016, Hillary Clinton.

O FBI disse nesta quarta-feira levar "a sério" suas obrigações com relação ao estipulado pela FISA.

"Estamos comprometidos a trabalhar com as entidades de supervisão apropriadas para garantir a integridade contínua do processo FISA", assinalou em sua declaração.

- "Abusos de vigilância" - Em comunicado, Nunes respondeu ao FBI, destacando que "não o surpreende" que o DoJ e o FBI se oponham à publicação de "informação relacionada com os abusos de vigilância".

"Está claro que funcionários de alto escalão utilizaram informação não verificada (...) para impulsionar uma investigação de contrainteligência durante uma campanha política americana", disse.

Os republicanos consideram o "dossiê" de Steele parcial e questionam que Rosenstein tenha prorrogado a autorização de vigilância de Page em setembro.

O memorando supostamente destaca o papel de Rosenstein, que foi quem nomeou Mueller para dirigir a investigação da trama russa, e que é o único que pode demiti-lo.

Também menciona Andrew McCabe, o ex-subdiretor do FBI, cuja renúncia foi revelada na segunda-feira depois de receber desde 2016 muitas críticas de Trump e dos republicanos, que o acusavam de agir em favor dos democratas.

A oposição democrata, que se nega à publicação do memorando, afirma que este só busca desacreditar o FBI e a investigação de Mueller. "Está claro que o objetivo é socavar a investigação do procurador especial", disse a senadora Diane Feinstein, membro da Comissão de Inteligência da Câmara alta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos