PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Novo ministro da Segurança Pública destitui chefe da Polícia Federal

27/02/2018 20h56

Brasília, 27 Fev 2018 (AFP) - O novo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, demitiu nesta terça-feira (27) o diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia, que havia sofrido um forte desgaste após revelar publicamente detalhes de uma investigação contra o presidente Michel Temer.

A mudança no comando da corporação responde a uma "reestruturação" geral das forças de segurança iniciada por Jungmann, ex-ministro da Defesa, disse à AFP um assessor de governo.

Rogério Galloro, secretário nacional de Justiça, substituirá Segovia, informou a assessoria de Jungmann.

Nomeado por Temer em novembro passado, Segovia ficou no olho do furacão no começo de fevereiro, quando afirmou que uma investigação - ainda em curso - contra o presidente poderia ser arquivada por falta de indícios.

O caso corre sob sigilo e investiga "suspeitas de irregularidades na edição de um decreto relacionado ao funcionamento de portos", segundo a Justiça.

As declarações de Segovia geraram mal-estar entre os policiais que conduzem as investigações dentro da PF e o agora destituído diretor-geral da força precisou se explicar perante a Justiça.

O ministério extraordinário da Segurança Pública foi criado na segunda-feira para coordenar ações contra o crime organizado depois da intervenção na segurança do estado de Rio de Janeiro, que ficará nas mãos das Forças Armadas.

O governo tenta dar uma resposta federal à crescente onda de criminalidade que se espalha pelo Brasil com o narcotráfico e as poderosas facções carcerárias.

Temer é investigado em vários casos relacionados com temas ilícitos. No ano passado, a Câmara dos Deputados rejeitou dois pedidos da procuradoria-geral para autorizar ao Supremo examinar estas denúncias.

Internacional