Trump desata ares de guerra comercial ao prometer tarifas de importação

Washington, 1 Mar 2018 (AFP) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, despertou nesta quinta-feira ares de uma guerra no comércio mundial ao anunciar que na semana que vem vai impor tarifas de importação pesadas ao aço e ao alumínio.

Durante uma reunião na Casa Branca com representantes da indústria siderúrgica americana, Trump adiantou que as tarifas do aço chegariam a 25%, enquanto a importação de alumínio seria taxada em 10%.

"Assinarei na próxima semana. E vocês terão proteção por muito tempo. Vocês terão que reconstruir sua indústria, é tudo o que estou pedindo", disse Trump aos empresários.

A medida representa um novo passo no protecionismo americano em suas relações comerciais. Ela impacta especialmente Brasil e México, os principais exportadores latino-americanos de aço aos Estados Unidos.

Em 2017, o Brasil representou 13% das importações americanas de aço, e o México foi responsável por outros 9%.

- Reação imediata -Logo após o anúncio de Trump, o índice Dow Jones caiu mais de 2% na Bolsa de Nova York, e as ameças de parceiros comerciais não tardaram a chegar.

"Colocar-se em uma certa forma de guerra comercial não é uma boa notícia para o mercado", afirmou Patrick O'Hare, da Briefing.

A UE "reagirá com firmeza e proporcionalmente para defender seus interesses", afirmou nesta quinta-feira o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O Canadá, o maior fornecedor dos Estados Unidos em aço e alumínio, considerou "inaceitável" a determinação de Trump.

"Qualquer tarifa ou cota imposta à nossa indústria do aço e do alumínio seria inaceitável. Essa decisão teria impacto nos dois lados da fronteira", afirmou o ministro canadense de Comércio Internacional, François Philippe Champagne, ao Parlamento.

Ottawa responderá para "defender nossos trabalhadores e as indústrias do aço e do alumínio", disse Champagne.

No México, a Câmara Nacional da Indústria do Ferro e do Aço pediu uma "resposta recíproca e imediata".

A Câmara disse que deixar o México fora dessa medida seria fundamental para "evitar uma guerra comercial que afetaria as cadeias produtivas de ambos os países".

O novo presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano), Jerome Powell, disse nesta quinta-feira ante uma comissão do Senado que não considera a adoção de tarifas como a melhor reação.

"A melhor abordagem é lidar diretamente com as pessoas afetadas, em vez de voltar às tarifas", disse ele.

- Indústria 'dizimada' -Na manhã desta quinta, Trump já tinha afirmado no Twitter que as importações dos dois metais estavam destruindo a indústria nacional.

"Nossas indústrias de aço e alumínio (e muitas outras) foram dizimadas durante décadas por um comércio injusto e políticas ruins com países de todo o mundo", tuitou o americano nesta quinta.

"Já não devemos permitir que tirem vantagem de nosso país, nossos negócios e nossos trabalhadores", acrescentou o presidente, e solicitou um "comércio livre, justo e inteligente".

O tuíte foi publicado enquanto Liu He, assessor econômico do presidente chinês, Xi Jinping, visita Washington. Ele deve se reunir com funcionários da Casa Branca.

Em meados de fevereiro, o governo Trump anunciou três modelos para taxar as importações de alumínio e aço, destacando a necessidade de preservar a segurança nacional e o emprego nos Estados Unidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos