PUBLICIDADE
Topo

Ursas pardas prolongam maternidade para evitar a caça na Suécia

27/03/2018 13h28

Paris, 27 Mar 2018 (AFP) - Como se tivessem aprendido a lei que proíbe os caçadores de matar as mães com seus filhotes, as ursas pardas na Suécia agora ficam com seus filhos por mais tempo do que antes, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira.

Na Suécia, os caçadores podem matar qualquer urso solitário entre o final de agosto e meados de outubro, mas as ursas em família são legalmente protegidas.

Assim, uma fêmea solitária tem quase quatro vezes mais chances de ser morta do que uma com filhotes, de acordo com este estudo publicado na revista Nature Communications, que se baseia em 22 anos de dados e observação do urso pardo sueco.

Os especialistas concluíram que as fêmeas adaptaram seu comportamento para viver mais, amamentando seus filhotes por um ano a mais do que o normal.

Normalmente, as ursas permanecem com seus bebês por cerca de 18 meses. Mas a partir de 1995, os cientistas descobriram que na Suécia o período durava até dois anos e meio.

E entre 2005 e 2015, o percentual de fêmeas que adaptaram essa estratégia passou de 7 para 36%, escrevem os pesquisadores.

"Esse cuidado maternal age como um escudo contra a caça", acrescentam.

A nova tática é benéfica para a mãe, mas também para os pequenos, protegidos das balas por mais um ano.

Outra consequência, essas ursas se reproduzem com menos frequência. Mas isso é compensado por uma vida mais longa.

Na década de 1930, a Suécia tinha cerca de 130 ursos pardos, mas graças à aplicação de medidas de conservação, seu número aumentou para 2.800 em 2013.

Entre 2010 e 2014, os caçadores suecos mataram cerca de 300 ursos anualmente, de acordo com a Universidade norueguesa de Ciências da Vida que participou do estudo.

"Parece que é o primeiro estudo que sugere claramente uma mudança nas estratégias maternas causadas pela caça", disse Jon Swenson, da universidade citada, à AFP.

abd-hmw/app/mb/mr