Israel anula polêmico projeto de expulsão de migrantes

Jerusalém, 2 Abr 2018 (AFP) - O governo israelense anunciou nesta segunda-feira (2) a anulação de um polêmico projeto de expulsão de migrantes africanos e assinou um acordo com a ONU para transferir parte dos migrantes para países ocidentais.

"O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e Israel chegaram a um acordo que permitirá a transferência de pelo menos 16.250 migrantes africanos para países ocidentais, enquanto o Estado de Israel solucionará a situação dos que permaneceram", afirma um comunicado do gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

No dia 15 de março, a Corte Suprema de Israel suspendeu o plano do governo que previa a expulsão de milhares de migrantes africanos que entraram ilegalmente no país.

Após um recurso de organizações de defesa dos migrantes, o tribunal suspendeu o plano até 26 de março, prazo para o Estado apresentar sua defesa.

O governo de Benjamin Netanyahu queria expulsar milhares de eritreus e sudaneses que entraram de forma ilegal no país e não têm nenhuma demanda de asilo em curso.

O governo dava aos migrantes a possibilidade de escolher entre retornar a seu país de origem, ou seguir para outra nação até o início de abril, ou a detenção.

jlr-mib/cmk.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos