China aplaude esforços diplomáticos da Coreia do Norte

Pequim, 3 Abr 2018 (AFP) - O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, elogiou nesta terça-feira (3) diante de seu contraparte norte-coreano os "importantes esforços" da Coreia do Norte para acalmar as tensões regionais, a três semanas de uma cúpula histórica entre os líderes das duas Coreias.

A visita à China do chanceler norte-coreano, Ri Yong-Ho, acontece alguns dias depois da visita surpresa do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un, à capital chinesa. Kim se reuniu com o presidente Xi Jinping.

China e Coreia do Norte tentam retomar as relações após um distanciamento nos últimos anos devido ao apoio de Pequim às sanções da ONU devido ao programa nuclear de Pyongyang.

Entretanto, a China continua sendo de longe o principal apoio diplomático e econômico da Coreia do Norte.

Kim Jong-Un deve se reunir com o presidente sul-coreano, Moon Jae-In, em 27 de abril. Também anunciou para o fim de maio um histórico encontro com o presidente americano, Donald Trump.

"A China aprecia o compromisso da Coreia do Norte sobre a desnuclearização da península e todos os esforços importantes mobilizados para diminuir as tensões", indicou Wang a seu contraparte, de acordo com um comunicado do Ministério chinês das Relações Exteriores.

"A parte chinesa apoia os encontros entre o dirigente norte-coreano e os de Coreia do Sul e Estados Unidos", destacou.

- Prudência -A Coreia do Norte "continuará desenvolvendo as relações tradicionais de amizade" com a China e "manterá uma estreita comunicação estratégica" sobre o tema da península coreana, prometeu Ri Yong-Ho.

O chanceler chinês, Wang Yi, pediu para que "reforcem as trocas em todos os níveis" entre os ministérios das Relações Exteriores dos dois países.

"Na situação atual, proteger e desenvolver a amizade tradicional entre China e Coreia do Norte é de grande importância para os dois países e para a região", indicou Wang.

Fotos publicadas pelo ministério chinês mostram os dois chanceleres apertando as mãos.

Ri Yong-Ho estava em trânsito na China. Nos próximos dias deve viajar para Rússia e Azerbaijão para uma reunião do Movimento dos Não-Alinhados, além de ir a outras ex-repúblicas soviéticas, segundo a agência de notícias norte-coreana KCNA.

Mas diante dos últimos sinais de distensão, o ministro chinês pediu prudência. "As lições da História nos ensinam que quando (...) há negociações de paz, aparecem fatores perturbadores, de uma maneira, ou de outra", declarou mais cedo nesta terça-feira, durante uma coletiva de imprensa com seu contraparte suíço, que está de visita a Pequim.

Wang pediu a todas as partes que "mantenham sua concentração e se desfaçam de toda interferência". "Esperamos igualmente que os dirigentes norte-coreano e americano consigam se reunir, reforçar sua compreensão e estabelecer as bases de uma confiança mútua", indicou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos