Topo

México rejeita 'atitudes ameaçadoras' e 'falta de respeito' dos EUA

05/04/2018 20h52

México, 5 Abr 2018 (AFP) - As ameaças e faltas de respeito nunca serão justificáveis na relação com os Estados Unidos, afirmou nesta quinta-feira (5) o presidente do México, Enrique Peña Nieto, em resposta a uma nova escalada de tensões sobre migração e segurança fronteiriça com a administração de Donald Trump.

"Trata-se de uma relação intensa e dinâmica (com os Estados Unidos), que naturalmente também nos apresenta desafios. Mas esses desafios nunca justificarão atitudes ameaçadoras e faltas de respeito entre nossos países", disse Peña Nieto em mensagem de vídeo divulgada por suas redes sociais.

Na mensagem, Peña Nieto também pediu a Trump que não lançasse sobre os mexicanos a sua frustração por assuntos relativos à política interna americana.

"Se suas recentes declarações derivam de uma frustração por assuntos de política interna, de suas leis, ou de seu Congresso, dirija-se a eles, não aos mexicanos. Não vamos permitir que a retórica negativa defina nossas ações", acrescentou.

Trump anunciou nesta quinta-feira que enviará entre 2 mil e 4 mil integrantes da Guarda Nacional à fronteira com o México para frear a entrada de imigrantes ilegais, depois de uma escalda de furiosas mensagens nas quais acusa o país latino-americano de não tomar medidas para frear o fluxo de pessoas.

Além disso, ameaçou retirar o país do Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), um acordo criticado por Trump, mas que é fundamental para a economia mexicana.

- 'Propaganda' de Trump -Os mais recentes ataques de Trump ocorreram por notícias de que uma caravana de emigrantes centro-americanos, conhecida como "Via-crúcis Migratória", viajava pelo México com destino à fronteira entre os dois países.

A caravana, integrada por pouco mais de 1.000 hondurenhos, salvadorenhos e nicaraguenses, começou a se dispersar nesta quinta, depois que seus organizadores disseram que abandonaram seu objetivo de chegar à fronteira e que culminariam seu protesto com uma manifestação na capital mexicana.

A tensão também ocorre em meio à delicada renegociação do Nafta, acordo vigente desde 1994 e integrado também pelo Canadá, o qual Trump descreveu essa semana como "a galinha dos ovos de ouro" do México.

"Estamos convencidos de que, entrando em acordo, como amigos, sócios e bons vizinhos, iremos muito melhor do que entrando em confronto. Estamos prontos para negociar, sim, mas sempre partindo da base do respeito mútuo", afirmou Peña Nieto.

As mensagens de Trump coincidiram também com o início da campanha para as eleições de julho, nas quais o México escolherá um novo presidente e legisladores.

O candidato que lidera as pesquisas, Andrés Manuel López Obrador, afirmou nesta quinta-feira que Trump usa a campanha contra o México como "propaganda" pensando em uma possível reeleição em 2020.

"Tudo isso leva a pensar que ou está mal informado (...) ou está usando toda essa campanha para se posicionar politicamente nos Estados Unidos, ou seja, é pura propaganda", declarou López Obrador.