Começa o julgamento de Bill Cosby por agressão sexual

Nova York, 6 Abr 2018 (AFP) - Um segundo julgamento contra o comediante Bill Cosby por uma suposta agressão sexual cometida há 14 anos terá início na próxima segunda-feira, desta vez em um contexto mais complicado pelo auge do movimento #MeToo.

O comediante afro-americano de 80 anos foi um pioneiro que derrubou barreiras raciais na televisão. Hoje, corre o risco de passar o resto da vida atrás das grades.

Se for considerado culpado de drogar e molestar a ex-funcionária da Universidade Temple Andrea Constand em sua casa na Filadélfia em 2004, poderá receber uma sentença mínima de 10 anos de prisão mais uma multa de 25 mil dólares.

Um primeiro julgamento realizado em junho terminou com a anulação do processo porque o júri não chegou a um veredicto unânime, após seis dias de depoimentos e 52 horas de deliberações.

Os 12 integrantes do júri para o novo processo, que durará cerca de um mês, já foram escolhidos: são sete homens e cinco mulheres. Dez são brancos e dois negros, como no primeiro julgamento.

Cerca de 60 mulheres acusaram publicamente Cosby de tê-las drogado com medicamentos para abusar delas ao longo de quatro décadas. A maioria das supostas agressões já prescreveram.

Estas denúncias e o julgamento iniciado por Constand arruinaram a reputação do ganhador de vários Emmys, que de 1984 a 1992 interpretou Cliff Huxtable, um ginecologista e carinhoso pai de família na popular série de televisão "The Cosby Show".

Constand, uma canadense de 44 anos, assegura que Cosby lhe deu comprimidos e vinho, e que em minutos ela ficou impossibilitada de se mover. Afirma que o ator a deitou no sofá, tocou seus seios, pôs os dedos em sua vagina, pegou sua mão e a colocou em seu pênis ereto.

Cosby diz que deu a Constand comprimidos de Benadryl para aliviar seu estresse, insiste que a relação foi consensual e a acusa de mentir para tirar dinheiro dele.

Constand, que é lésbica mas no passado declarou ter tido relações com homens, inicialmente chegou a um acordo com Cosby em 2006, após um processo civil, mas o caso foi reaberto em 2015 quando novas evidências foram reveladas.

O caso se resume à palavra dela contra a dele, já que não há provas da agressão.

- Um contexto diferente -Desta vez, o julgamento em Norristown, nos subúrbios da Filadélfia, será realizado em um contexto muito diferente.

O juiz Steven O'Neill permitirá o testemunho de outras cinco mulheres que acusam Cosby, além do de Constand, uma vitória para a Promotoria, que busca apresentá-lo como um predador sexual em série.

"As pessoas estão dispostas a acreditar que uma aparente vítima está mentindo, mas é muito mais difícil acreditar que cinco delas estão fazendo isso", disse Daniel Filler, decano e professor de Direito da Universidade de Drexel.

"É um problema tremendo para a defesa. É como lutar uma guerra em várias frentes", apontou William Brennan, advogado proeminente da Filadélfia que acompanhou o julgamento. "A evidência mudou e a situação mudou".

Diferentemente do primeiro julgamento, há quase um ano, este será realizado na era do movimento #MeToo contra o abuso sexual, que derrubou dezenas de homens poderosos em Hollywood, das artes, dos meios de comunicação e da política, e gerou uma série de mudanças na sociedade americana.

"Este é um momento no qual imagino que mais jurados se sentirão mais cômodos acreditando em mulheres que são vítimas de violência sexual", disse Filler.

Ninguém sabe qual será a estratégia do advogado de Cosby, o famoso Tom Mesereau, que em 2005 defendeu com sucesso o cantor Michael Jackson quando ele foi absolvido de acusações de molestar um menor de idade.

No primeiro processo, Cosby não deu depoimento e seu advogado - demitido após a anulação do julgamento - apresentou o caso em poucos minutos e chamou apenas uma testemunha.

Mesereau tentou em vão atrasar o segundo julgamento, e até pediu que o juiz fosse retirado do caso, argumentando que ele pode ser subjetivo porque sua esposa trabalha com vítimas de abusos sexuais e uma vez deu dinheiro a um grupo que se opõe ativamente a Cosby.

"The Cosby Show" ofereceu a Cosby uma vida de fama e dinheiro após uma infância humilde com uma mãe empregada doméstica e um pai cozinheiro da Marinha americana.

Camille, sua esposa durante mais de 50 anos, permaneceu ao seu lado.

jm-lbc/yow/db/cb

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos