Macron 'condena os ataques químicos' na Síria e se coordena com Trump

Paris, 9 Abr 2018 (AFP) - O presidente francês, Emmanuel Macron, que conversou neste domingo com seu homólogo americano, Donald Trump, "condenou com a maior firmeza os ataques químicos de 7 de abril contra a população de Duma em Ghuta Oriental", na Síria, anunciou o Eliseu em um comunicado.

Ambos os dirigentes "intercambiaram suas informações e suas análises, confirmando a utilização de armas químicas", e "decidiram coordenar suas ações e iniciativas no Conselho de Segurança das Nações Unidas", que deve se reunir nesta segunda-feira, acrescentou a presidência francesa.

A França já havia advertido, no domingo, que assumirá "todas as suas responsabilidades" após o suposto ataque químico, declarou o ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian. Paris ameaçou, em várias ocasiões, bombardear alvos militares sírios se for demonstrado o uso de armas químicas.

Em fevereiro, Macron avisou que a França "atacará" se tiver provas de que armas químicas proibidas em tratados são usadas contra civis por parte do regime sírio.

O presidente francês declarou em maio de 2017 que o uso de armas químicas significaria para ele uma "linha vermelha" e que implicaria em "uma resposta imediata" por parte da França.

O Conselho de Segurança da ONU deve "condenar o uso repetido de armas químicas", acrescentou o Eliseu, que pede que "sejam estabelecidas de forma clara todas as responsabilidades sobre esta questão".

Emmanuel Macron e Donald Trump acordaram "continuar estreitamente em contato e voltar a se falar nas próximas 48 horas".

Por iniciativa da França, nove países solicitaram uma reunião do Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira, prevista para as 15H30 GMT (12h30 em Brasília).

Moscou, por sua vez, pediu outra reunião do Conselho, dedicada às "ameaças à paz no mundo".

O suposto ataque químico de sábado em Duma, em Ghuta Oriental, deixou dezenas de mortos. O regime parecia estar a ponto de recuperar o controle total deste último bastião rebelde perto de Damasco na noite de domingo.

O bombardeio provocou uma onda de críticas internacionais neste domingo. Trump advertiu que Bashar Al Assad e seus aliados terão de "pagar um preço alto".

O governo sírio e seus aliados, Rússia e Irã principalmente, negaram qualquer responsabilidade das forças do regime. Moscou advertiu Washington contra uma "intervenção militar por pretextos fabricados" na Síria, que poderia "implicar as mais fortes consequências".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos