Arizona envia tropas à fronteira com México

Phoenix, Estados Unidos, 9 Abr 2018 (AFP) - O Arizona mobiliza nesta segunda-feira (9) seus primeiros 225 efetivos da Guarda Nacional para custodiar a fronteira com o México, em resposta à ordem do presidente americano, Donald Trump, de reforçar a segurança das zonas fronteiriças.

"A Guarda Nacional do Arizona mobilizará 225 membros hoje para apoiar as medidas de segurança fronteiriça" de Trump, indicou um comunicado do escritório desta força de reserva americana que depende dos estados.

O governador republicano Doug Ducey tuitou que, nesta segunda, mobilizaria 225 soldados, e na terça, "efetivos adicionais", sem especificar um número.

"A Guarda fornecerá suporte aéreo, de reconhecimento, apoio operacional, construção de infraestrutura de fronteiras e apoio logístico", detalhou o comunicado.

O Arizona se soma ao Texas, que na sexta-feira anunciou o envio de 250 efetivos à fronteira nas 72 horas seguintes.

"Temos que nos aliar com agências a nível local, estadual e federal para fazer o que Washington não pôde por muito tempo: assegurar nossa fronteira sul", indicou Ducey, em uma saudação às tropas. "Seus esforços ajudarão que o Arizona e nosso país estejam mais seguros".

O secretário de Defesa, Jim Mattis, assinou uma ordem na semana passada para mobilizar "até 4.000 efetivos da Guarda Nacional", depois que o presidente Trump expressou a necessidade de militarizar a fronteira.

O texto do Departamento de Defesa estabelece que, em princípio, as tropas não realizarão atividades de ordem pública.

Novo México e Califórnia, os outros dois estados fronteiriços com o México, ainda não enviaram efetivos.

"Esperamos mais detalhes sobre financiamento, duração da missão e seu final", declarou na semana passada o tenente-coronel Tom Keegan, porta-voz da Guarda Nacional na Califórnia, que conta com 250 efetivos mobilizados em um plano antidrogas, dos quais 55 prestam apoio na fronteira sul.

"Esta equipe realiza várias missões, incluindo suporte de vigilância no Porto de San Diego, apoio de engenharia na reparação de estradas, cercas e esgotos, e análise criminal com agentes de ordem estadual e federal em operações antinarcóticos e contra o narcoterrorismo", indicou a Guarda californiana em um comunicado.

Trump também disse na quinta-feira passada que os militares "provavelmente" se manterão lá até que seu famoso muro seja construído.

A decisão foi anunciada após a rejeição do presidente a uma caravana de migrantes centro-americanos em território mexicano que tinha a intenção de chegar à fronteira com os Estados Unidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos