EUA não descartam resposta militar à ataque químico na Síria

Washington, 9 Abr 2018 (AFP) - O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, apontou nesta segunda-feira o papel da Rússia em um suposto ataque com gás tóxico na Síria e advertiu que não exclui uma resposta militar.

"A primeira coisa a considerar é por que ainda estão usando armas químicas, quando a Rússia foi garantidor da retirada de todas as armas químicas" na Síria, declarou Mattis no Pentágono, em uma reunião com o seu colega do Catar.

"Trabalhando com nossos aliados e parceiros da Otan ao Catar e outros, vamos considerar a situação ... e neste momento eu não descarto nada", acrescentou.

A Síria tem sido repetidamente acusada de usar armas químicas, às vezes gás sarin, em uma guerra de sete anos que matou mais de 350 mil pessoas.

Equipes de resgate nas áreas rebeldes do país acusaram o regime sírio de realizar um ataque químico no sábado em Duma, na região de Ghuta Oriental, perto de Damasco, causando dezenas de vítimas.

O governo sírio e seus aliados, principalmente russos e iranianos, negam qualquer responsabilidade das forças do governo, enquanto o presidente americano, Donald Trump disse que o regime sírio vai pagar um "preço alto" após o "ataque químico sem sentido".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos