China recorre à OMC contra tarifas americanas sobre o aço e o alumínio

Genebra, 10 Abr 2018 (AFP) - A China denunciou os Estados Unidos à Organização Mundial do Comércio (OMC) pela decisão do governo de Donald Trump de adotar tarifas às importações de aço e alumínio chineses, segundo um documento publicado nesta terça-feira pelo organismo.

As autoridades de Pequim solicitam de modo concreto "a abertura de consultas com o governo dos Estados Unidos" sobre "algumas medidas contra os produtos de aço e alumínio", indica o documento.

A denúncia foi apresentada em 5 de abril.

As consultas são a primeira etapa no processo de resolução de divergências que OMC estabelece, algo que pode demorar anos.

"A China espera a resposta dos Estados Unidos à demanda e deseja a definição de uma data e um local mutuamente aceitáveis para as consultas", afirma o documento publicado pela OMC.

No documento, a China recorda que o governo dos Estados Unidos "impôs um direito de importação adicional de 25% e de 10% respectivamente em alguns produtos de aço e de alumínio".

As tarifas são aplicadas a todos os países, com exceção de Canadá, México, Austrália, Argentina, Coreia do Sul, Brasil e União Europeia, recorda a China em seu documento, e entraram em vigor em 23 de março de 2018.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos