Topo

Trump quer processar ex-diretor do FBI por mentir

13/04/2018 12h05

Washington, Estados Unidos, 13 Abr 2018 (AFP) - O presidente Donald Trump acusou o ex-diretor do FBI (a Polícia Federal americana) James Comey nesta sexta-feira (13) de vazar informação sigilosa, defendendo que ele seja processado por mentir para o Congresso, apesar de estar sob juramento.

"James Comey é um comprovado 'VAZADOR' & MENTIROSO. Praticamente todo o mundo em Washington achava que ele deveria ser demitido pelo trabalho horroroso que ele fez - até que ele foi, de fato, demitido", tuitou Trump.

"Ele vazou informação SIGILOSA e devia ser processado por isso. Ele mentiu para o Congresso SOB JURAMENTO", completou, referindo-se a um depoimento de Comey no Senado, no qual ele contou que o presidente exigiu-lhe lealdade e lhe pediu que tirasse o foco da investigação do general Michael Flynn.

Michael Flynn teve de deixar o cargo como conselheiro de Segurança Nacional por declarações falsas sobre seus contatos com a Rússia no âmbito da investigação sobre a ingerência russa na campanha eleitoral de 2016.

Desta vez, os tuítes de Trump surgem na esteira da divulgação na imprensa de trechos das memórias de Comey, nas quais ele conta seus 20 anos de carreira como procurador de Nova York, secretário-adjunto de Justiça, no governo de George W. Bush, e diretor do FBI entre 2013 e 2017.

Em "A Higher Loyalty: Truth, Lies and Leadership", que será lançado na próxima terça-feira, Comey afirma que Trump é um mentiroso inveterado que submete seu entorno a um código de lealdade que lhe lembrou "um chefe da máfia".

Comey aponta que o presidente está obcecado com a suposta existência de um vídeo, no qual prostitutas russas - que dizem ter sido contratadas por ele - urinam em uma cama de hotel em Moscou em 2013.

Os trechos das memórias de Comey enfureceram Trump, que afirmou, em um segundo tuíte, que o ex-diretor do FBI "é uma bola de lodo fraca e mentirosa que foi, como o tempo provou, um terrível diretor do FBI".

"A maneira como administrou o caso da desonesta Hillary Clinton, e os fatos que o cercaram ficarão como um dos maiores fiascos da história. Foi uma grande honra, para mim, demitir James Comey!", frisou.

No livro, o ex-diretor do FBI considera ainda que Trump não tem noção do bem e do mal.

"O presidente não tem ética e está desconectado da verdade e dos valores institucionais", acrescentou Comey, segundo os trechos divulgados pela imprensa americana, reforçando que "sua liderança é transacional, movida pelo ego e baseada na lealdade pessoal".

Comey afirma que o presidente vive "em um casulo de uma realidade alternativa", para o qual tenta atrair outras pessoas.