Ex-chefe de polícia da Guatemala condenado a 15 anos de prisão na Suíça

Genebra, 27 Abr 2018 (AFP) - O ex-chefe da polícia guatemalteca Erwin Sperisen foi condenado nesta sexta-feira a 15 anos de prisão por cumplicidade no assassinato de sete réus em 2006, no terceiro julgamento relativo a um caso de dez execuções extrajudiciais na Guatemala, informou a Corte de Apelações de Genebra.

Sperisen foi absolvido da morte de outros três presos que fugiram da prisão de El Infiernito em 2005, indicou a corte.

Sperisen, de nacionalidade guatemalteca e suíça, havia sido condenado a duas prisões perpétuas: em 2014 e 2015 por dez assassinatos, sete deles cometidos em 2006 durante uma operação para retomar o controle da prisão de Pavón e três entre um grupo de foragidos do presídio de Infiernito, em 2005.

O Tribunal Federal, instância máxima judicial suíça, pediu uma revisão do processo por questões técnicas.

Seus advogados, que pediram uma pena máxima de sete anos e meio, e informaram que vão apelar da sentença.

Devido a sua dupla nacionalidade, Sperisen não pode ser extraditado para a Guatemala, país que requer sua presença para responder às acusações de participação direta ou indireta na chacina dos presidiários em 2005 e 2006.

str-pb/eg/cn

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos