Estado Islâmico reivindica assassinato de candidato no Iraque

Bagdá, 7 Mai 2018 (AFP) -

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta segunda-feira (7), pela primeira vez desde o início da campanha, o assassinato de um candidato às eleições legislativas de 12 de maio no Iraque.

Há seis meses, Bagdá anunciou a derrota do grupo EI após mais de três anos de combates contra os extremistas. Mas os jihadistas continuam ativos em células clandestinas.

Em um comunicado publicado no aplicativo Telegram, o EI assumiu o assassinato de Faruq Zarzur al Yuburi, candidato sunita na lista liderada pelo vice-presidente Iyad Alaui.

O político foi morto a tiros em sua residência situada na região de Mossul (norte), que foi o principal reduto do EI no Iraque - disse uma autoridade local à AFP.

No comunicado, o grupo chama a vítima de "infiel" por participar nas eleições.

"Homens armados não identificados assassinaram, nesta segunda-feira ao amanhecer", este candidato da lista da "Aliança Nacional", declarou Salah al-Yuburi, uma autoridade municipal em Qayara, a cerca de 70 quilômetros da cidade de Mossul.

"Eles o abateram a tiros, depois de invadirem sua casa", completou.

Em um vídeo publicado no Facebook um dia antes de sua morte, o candidato, com seu filho de seis anos Rayan nos braços, pediu aos eleitores que tomassem cuidado "com os candidatos em fim de mandato e aqueles que compram votos".

Expulso de todas as zonas que controlava no Iraque no final de 2017, o EI ameaçou em abril atacar os colégios eleitorais, assim como eleitores e candidatos, durante as eleições de 12 de maio.

Ameaçou em particular os sunitas, majoritários na região de Mossul.

Em uma mensagem de áudio, em 23 de abril, o porta-voz do EI, Abulhasan al-Muhayer, ameaçou atacar os colégios eleitorais e os eleitores.

Ele se referia, particularmente, aos muçulmanos sunitas iraquianos para dissuadi-los de participar das eleições, as primeiras desde que o governo iraquiano proclamou, em dezembro, sua vitória sobre o EI.

"Oh sunitas (...) sabemos que o governo de Rafida ("infiéis", termo pejorativo, com o qual os salafistas designam os xiitas, majoritários no país) está prestes a convocar eleições. Nosso julgamento se aplicará, aos que convocam e aos que participam", completou o porta-voz do EI.

As organizações extremistas sunitas sempre se opuseram às eleições desde a queda de Saddam Hussein, em 2003, e multiplicaram os atentados nesses períodos.

Yuburi, que se apresentava pela primeira vez às legislativas, não é o único candidato morto nas últimas semanas.

No final de abril, Neym al-Hasnui, candidato da lista do Estado de Direito liderada pelo outro vice-presidente, Nuri al-Maliki, também foi abatido a tiros quando tentava mediar um conflito tribal em Bagdá.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos