Governo da Colômbia e ELN buscam trégua em Havana

Havana, 10 Mai 2018 (AFP) -

O governo da Colômbia e a guerrilha Exército de Libertação Nacional (ELN) retomam nesta quinta-feira (10) suas negociações em Havana em busca de um cessar-fogo, que permita, em algum momento, chegar a um acordo para acabar com um sangrento conflito de meio século.

"Vamos ver se conseguimos um cessar-fogo, e estou convencido de que vamos conseguir", disse o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, em Berlim, durante visita oficial que acontece esta semana.

Embora Santos - que deixará o poder em agosto após dois mandatos de quatro anos - espere um acordo de paz final "o mais rápido possível" com a última guerrilha ativa no país, ele admite que não conseguirá isso antes de concluir seu mandato.

"Não poderei assinar esse acordo, mas espero deixar para o próximo presidente o caminho pavimentado na direção correta", acrescentou o presidente, Prêmio Nobel da Paz em 2016 por suas tentativas de pôr fim ao último conflito armado interno da América.

"Sem dúvida vai ser uma negociação de longo prazo pela complexidade dos temas (...) Não tem que pôr no acelerador", disse à AFP o professor da Universidade Nacional da Colômbia e especialista em conflitos armados Víctor de Currea-Lugo.

"A alternativa que se tem é conseguir algum tipo de acordo, e será o novo presidente que tomará uma decisão sobre o futuro", acrescentou. Além de garantir o cessar-fogo, outro ponto central é estabelecer mecanismos para que a sociedade participe do processo.

O chefe da delegação negociadora do ELN, Pablo Beltrán, também espera um cessar-fogo no curto prazo.

"Estamos por reiniciar esse ciclo de conversas em Havana. É muito importante que possamos levar adiante um novo cessar-fogo muito melhor do que o anterior, ainda que não seja o do fim do conflito", disse ele, de Cuba, em um vídeo divulgado por sua organização.

As negociações começaram em fevereiro de 2017 em Quito, onde conseguiram uma histórica trégua em outubro do ano passado que se estendeu por 101 dias, em meio a acusações mútuas de descumprimentos.

Com o fim do cessar-fogo em janeiro de 2018, o governo colombiano denunciou uma imediata ofensiva do ELN, situação que atrasou o início do quinto ciclo de negociações. A guerrilha conta com cerca de 1.500 combatentes.

Estas foram, enfim, retomadas até que o Equador se afastou oficialmente como sede e garante do processo em 20 de abril, após inusitados ataques e sequestros realizados por dissidentes da dissolvida guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em seu território. Agora, Havana assume o posto.

A ilha caribenha, que também é garante do processo com o ELN, acolheu durante quatro anos os diálogos com as Farc. Essas discussões levaram, no final de 2016, ao acordo que desarmou e transformou em partido político a outrora guerrilha comunista.

"Nas últimas décadas, Cuba desenvolveu credenciais mediadoras na promoção da solução e no manejo de vários conflitos, dada sua história contestadora e contatos além das fronteiras ideológicas", considerou o professor cubano Arturo López-Levy, da Universidade do Texas-Rio Grande Valley.

"O ELN, como antes as Farc, e o governo colombiano sabem que Cuba será um interlocutor sério e que seu principal interesse é levar a negociação a bom termo, sem ceder a pressões para emboscar nenhuma das partes", acrescentou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos