UE prolonga em um ano suas sanções contra o regime sírio

Bruxelas, 28 Mai 2018 (AFP) - A União Europeia decidiu nesta segunda-feira estender até 1º de junho de 2019 suas sanções contra o regime sírio de Bashar al-Assad, já que "a repressão contra a população civil continua".

Em 2011, o bloco europeu adotou uma série de medidas restritivas, como o congelamento de bens e a proibição de vistos, contra os responsáveis pela repressão da população civil na Síria.

Em março, os europeus decidiram sancionar, por exemplo, um alto oficial militar sírio e três cientistas por seu papel no desenvolvimento e uso de armas químicas contra a população civil.

A lista da UE inclui atualmente 259 pessoas e 67 entidades, após a remoção de duas pessoas, indicou o Conselho europeu após reunião dos ministros das Relações Exteriores em Bruxelas.

As sanções em vigor também cobrem um embargo de petróleo, restrições a certos investimentos, a imobilização dos ativos do Banco Central Sírio na UE e restrições à exportação de equipamentos que poderiam ser usados para a repressão interna.

Mais de 350.000 pessoas morreram e milhões foram forçadas a deixar suas casas desde o início da guerra em 2011.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos