Topo

Correio EUA-Cuba tem início, apesar das divergências com Trump

01/06/2018 11h36

Havana, 1 Jun 2018 (AFP) - O correio direto entre Estados Unidos e Cuba foi estabelecido nesta sexta-feira, após quase dois anos de testes e em meio à inflexibilidade do governo de Donald Trump a respeito da ilha.

'Correos de Cuba' e o Serviço Postal dos Estados Unidos "acordaram implementar de forma permanente, em voos diretos, o intercâmbio do correio postal entre os dois países", afirmou a empresa cubana em um comunicado.

A decisão foi adotada "após a implementação por mais de um ano do Plano Piloto para o intercâmbio direto del correio postal entre os dois países, como havia sido anunciado em março de 2016", completa.

O correio direto entre os dois países foi bloqueado por quase meio século e só era possível por meio de outros países, o que encarecia e atrasava as postagens.

De acordo com a 'Correos de Cuba', o procedimento estabelecido "leva em consideração as exigências técnicas, operacionais e de segurança identificadas pelas partes durante a execução do Plano Piloto".

O retorno do correio direto foi um dos primeiros passos do degelo entre os países iniciado pela administração de Barack Obama em 2015, quando Raúl Castro governava a ilha.

O anúncio desta sexta-feira acontece em meio a tensões políticas e diplomáticas entre os dois países, após a chegada ao poder de Donald Trump, que endureceu o embargo vigente e freou a histórica aproximação estimulada por Obama.

Quase dois milhões de cubanos e seus descendentes vivem nos Estados Unidos e mantêm contato com parentes e amigos na ilha.

O uso das novas tecnologias digitais e a internet suplantaram o envio de cartas, mas não os pacotes de remédios, alimentos e outros artigos.