Al Sissi presta juramento para segundo mandato como presidente do Egito

Cairo, 2 Jun 2018 (AFP) - O presidente do Egito Abdel Fatah Al Sissi prestou juramento neste sábado ante o parlamento para um segundo mandato de quatro anos.

"Encaramos juntos desafios econômicos, sociais e políticos e seus efeitos negativos em todos os aspectos da vida", afirmou em seu discurso inaugural, em alusão às consequências das reformas econômicas que afetam o poder aquisitivo dos egípcios.

Durante uma sessão especial transmitida ao vivo pela televisão estatal, a posse de Al Sissi ante os membros do parlamento e do governo foi saudada por uma salva de 21 tiros de canhão.

Aviões de caça desenharam a bandeira egípcia no céu do Cairo e helicópteros militares sobrevoaram o centro da capital.

Em seu discurso, se disse "determinado a continuar o caminho" adotado e também assegurou que a educação, a saúde e a cultura estarão entre suas principais preocupações.

Antes de iniciar seu discurso, o presidente pediu um minuto de silêncio pelos "mortos por seu país".

"Combatemos o terrorismo brutal que busca debilitar a unidade de nossa pátria", enfatizou.

Sete anos depois da revolta de janeiro de 2011, que provocou a queda do regime de Hosni Mubarak, os maiores desafios do segundo mandato de Al Sissi são a estabilidade em termos de segurança e a recuperação econômica.

O novo mandato de Al-Sissi se inicia em plena onda de prisões de opositores, o que reflete, segundo especialistas, temores do poder contra possíveis movimentos sociais.

Ele obteve o novo mandato com mais de 97% dos votos em março contra uma oposição silenciada, depois de ter sido eleito pela primeira vez em 2014.

Entre os opositores e membros da sociedade civil presos recentemente estão o blogueiro e jornalista Waël Abbas, os blogueiros Chérif Gaber e Chadi Abuzeid e o opositor Hazem Abdelazim.

ONGs de defesa dos direitos Humanos denunciam regularmente a repressão implacável desde 2013 pelo governo contra os islâmicos e contra os ativistas laicos e de esquerda.

Após a recente onda de prisões, a ONG Human Rights Watch (HRW) denunciou em uma declaração na quinta-feira "o estado de opressão" que atualmente prevalece no Egito.

Desde 9 de fevereiro, o exército realiza uma ampla campanha militar para "limpar o país do terrorismo".

No total, mais de 200 jihadistas e 35 militares morreram em função dessa campanha, segundo cifras do exército.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos