Topo

EUA conduzem exercícios militares no flanco oriental da Otan

03/06/2018 12h48

Vilnius, 3 Jun 2018 (AFP) - Cerca de 18.000 soldados de 19 países, principalmente membros da Otan, participam do exercício militar Saber Strike, que começa neste domingo na Polônia e nos Países Bálticos, liderado pelos Estados Undos no flanco oriental da aliança atlântica.

Estas manobras, uma das mais importantes das forças americanas na Europa desde o fim da Guerra Fria, estão destinadas a tranquilizar os Estados europeus aliados de Washington situados a leste, preocupados com as manobras militares russas perto de suas fronteiras e com o conflito no leste da Ucrânia.

A oitava edição do exercício militar anual, que transcorrerá de 3 a 15 de junho, coincide com a informação conhecida na semana passada de que a Polônia poderá participar financeiramente para aumentar a presenças das forças americanas em seu território.

Pawel Soloch, chefe do departamento de Segurança Nacional da presidência da Polônia, citou um "documento de informação" redigido no Ministério da Defesa, segundo o qual o país poderia gastar entre 1,5 bilhão e 2 bilhões de dólares para abrigar uma unidade blindada americana.

A informação gerou uma reação imediata de Moscou, que afirmou que uma mobilização deste tipo "não beneficia, de forma alguma, a segurança e estabilidade do continente".

Os Estados Unidos reforçaram nos últimos anos sua presença no flanco oriental da Otan, desde a anexação da Crimeia pela Rússia, em 2014.

Washington lidera um batalhão multinacional da Otan na Polônia, enquanto Canadá, Grã-Bretanha e Alemanha comandam batalhões semelhantes mobilizados nos Países Bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia), onde também serão realizadas as manobras Saber Strike.

Os batalhões da Otan "serão testados durante o Saber Strike, isto mostra o compromisso da aliança", declarou o general de brigada americano Richard Coffman durante uma breve cerimônia realizada hoje em Vilnius.

Os exercícios mostram "a maior flexibilidade das forças terrestres e aéreas para responder rapidamente a uma crise, o que permite ter a presença adequada onde necessitamos", indicou. "Somos perfeitamente capaces de realizar operações conjuntas combinadas."

Em visita na semana passada a Varsóvia, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que os grandes temas da reunião de cúpula da aliança, que acontecerá em julho em Bruxelas, serão a capacidade de transportar tropas e a dissuasão frente à política do Kremlin.

O Exército dos Estados Unidos colocou em andamento, em maio de 2017, um novo quartel-general na Polônia, para comandar cerca de 6 mil de seus soldados mobilizados para as operações com a Otan naquela região.

Para reforçar as relações militares com Washington, a Polônia assinou em março um contrato de compra de um sistema antimísseis americano Patriot por 4,75 bilhões de dólares.

A Rússia denunciou os projetos de instalação deste sistema tanto na Polônia quanto na Romênia, afirmando que os mesmos violam um tratado de 1987.

Já Polônia e Lituânia acusaram Moscou, em fevereiro, de concentrar mísseis Iskander, capazes de transportar ogivas nucleares, no enclave russo próximo a Kaliningrado, "com o objetivo de ter uma presença permanente".

vi-mas-sw/elp/pc/age/cn/lb