PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Pence visita o Brasil para falar de migração, espaço e Venezuela

26/06/2018 17h28

Brasília, 26 Jun 2018 (AFP) - O tema delicado da migração, a situação dos refugiados venezuelanos, o uso pelos Estados Unidos da base de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites: estes são alguns dos assuntos que o vice-presidente americano, Mike Pence, vai abordar nesta terça-feira (26) com o presidente Michel Temer.

Em sua terceira visita à América do Sul - a primeira à maior economia da região - Pence chegou a Brasília acompanhado da esposa, Karen, às 07H45 locais para uma visita de dois dias antes de seguir viagem para Quito.

Após se reunir com Temer por volta do meio-dia, Pence seguiu para almoço das delegações dos dois países no Palácio do Itamaraty. Na agenda, ainda estão previstas uma coletiva de imprensa e um comunicado conjunto.

Espera-se que Pence e Temer abordem a situação das cerca de 50 crianças brasileiras, separadas dos pais na fronteira entre os Estados Unidos e o México, onde mais de 2.000 menores - a maioria centro-americanos - foram separados recentemente de suas famílias migrantes.

É um dos temas delicados da agenda e um assunto importante no diálogo permanente com os Estados Unidos, disse à imprensa o vice-secretário de Assuntos Políticos Multilaterais, Europa e América do Norte do ministério brasileiro das Relações Exteriores, Fernando Simas Magalhães.

O governo brasileiro expressou na semana passada sua "preocupação" com o aumento de casos de menores brasileiros separados dos pais.

Enquanto isso, um funcionário da delegação de Pence disse que o vice-presidente tem a intenção de abordar a crise migratória global, incluindo a que a afeta os Estados Unidos.

- Base de lançamento -Pence e Temer abordarão, ainda, o avanço das negociações sobre o uso pelos Estados Unidos da base de Alcântara para o lançamento de satélites.

Alcântara tem uma localização ideal para os lançamentos, pois fica muito próxima da linha do Equador, o que permite economizar até 30% de combustível ou transportar mais carga.

Estas negociações estão em "uma fase inicial, muito preliminar" e se discutem "as salvaguardas" legais e tecnológicas para proteger a propriedade intelectual dos Estados Unidos e a soberania nacional, disse Simas Magalhães.

O diplomata admitiu que "há um interesse" no Brasil e da Força Aérea em alcançar um acordo. "Temos aí um filão de mercado extraordinário", destacou.

Durante o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), Brasil e Estados Unidos chegaram a um acordo para usar a base, mas o mesmo foi logo bloqueado pelo Congresso, que considerou que entrava em conflito com a legislação brasileira.

Outro tema que poderia ser abordado e gerou diferenças entre Brasil e Estados Unidos, é a imposição por parte de Washington de tarifas alfandegárias e cotas às importações de alumínio e aço.

Desde 1º de junho, as exportações brasileiras aos Estados Unidos de alumínio são taxadas com uma tarifa de 10% e as de aço são sujeitas a cotas, o que o Brasil considerou injustificado e para o que pede soluções.

- Venezuela -A situação da Venezuela também será abordada por Temer e Pence, que na quarta-feira vai visitar a Casa de Acolhida Santa Catarina, que recebe refugiados venezuelanos em Manaus.

"O que buscamos com os Estados Unidos e outros parceiros internacionais" é "um caminho que permita uma saída democrática" na Venezuela, disse Simas Magalhães, que destacou que Washington fez contribuições para atender o "fluxo migratório de venezuelanos na nossa fronteira norte, inclusive contribuições financeiras".

Segundo a agência Bloomberg, Pence anunciará em Manaus um aumento da ajuda humanitária aos venezuelanos através da agência da ONU para os Refugiados.

Mais de 32.000 venezuelanos pediram refúgio no Brasil e outros milhares, residência temporária no âmbito da crise social, econômica e política em que o país caribenho está mergulhado.

Em Manaus, Pence também fará um sobrevoo à Zona Franca e às belezas naturais do Amazonas antes de seguir viagem para Quito.

Internacional