PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Aliança entre EUA e Japão é 'pedra angular' da estabilidade na região, diz Mattis

29/06/2018 00h19

Tóquio, 29 Jun 2018 (AFP) - O ministro americano da Defesa, John Mattis, destacou nesta sexta-feira, em Tóquio, a importância da aliança entre Estados Unidos e Japão, no momento em que crescem as dúvidas sobre o compromisso de Washington com seus aliados na região.

"A aliança entre Estados Unidos e Japão é a pedra angular da estabilidade na região Indo-Pacífica e nosso compromisso segue sendo inquebrantável", declarou Mattis durante entrevista coletiva em Tóquio após se reunir com seu homólogo japonês, Itsunori Onodera.

A aproximação entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, suscitou preocupação sobre como os Estados Unidos continuarão defendendo seus parceiros na Ásia Oriental.

Na mesma entrevista, Mattis prometeu que Washington não baixará a guarda com a Coreia do Norte, apesar da suspensão dos exercícios militares entre Estados Unidos e Coreia do Sul.

A decisão de cancelar as manobras foi adotada para facilitar as negociações com o regime de Kim Jong Un e "aumentar as possibilidades de se alcançar uma solução pacífica para a península coreana", mas sem enfraquecer a posição americana na Ásia, declarou o chefe do Pentágono.

"Manteremos uma forte posição defensiva conjunta para garantir que nossos diplomatas sigam negociando com uma força indiscutível", declarou Mattis ao lado de Onodera.

Com Onodera, "abordamos a possibilidade de aumentar as aptidões da aliança, reforçar nossa cooperação e incrementar a segurança na região", precisou o secretário da Defesa.

O ministro japonês recordou que os exercícios eram "importantes para a estabilidade da região, inclusive no futuro", mas admitiu que esta suspensão poderá "apoiar os esforços diplomáticos" para se obter uma 'desnuclearização' da Coreia do Norte.

Tóquio também teme que Washington feche um acordo com a Coreia do Norte para acabar com a ameaça dos mísseis intercontinentais (ICBM), capazes de atingir o território americano, e se esqueça dos mísseis de médio e curto alcance, que podem impactar o arquipélago.

A capital japonesa é a última etapa da viagem de Mattis, que também visitou China e Coreia do Sul.

Em Seul, o secretário de Defesa garantiu que os Estados Unidos manterão "os níveis atuais das forças americanas na península coreana".

pmh-kap/lr

Internacional