PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Milhares de deslocados no sul da Síria retornam para casa após cessar-fogo

07/07/2018 10h50

Beirute, 7 Jul 2018 (AFP) - Milhares de deslocados no sul da Síria retornavam para suas casas, informou neste sábado a ONG Observatório Sírio dos Direito Humanos (OSDH), após o acordo entre o governo sírio e os rebeldes que deveria acabar com a devastadora ofensiva do regime nesta região.

Depois de mais de duas semanas de intensos bombardeios, os representantes da Rússia e dos grupos rebeldes chegaram a um acordo na sexta-feira para decretar um cessar-fogo no sul da Síria, controlado até agora pelos opositores ao regime de Bashar Al Assad.

A trégua representa uma nova derrota para os grupos rebeldes, incapazes de resistir à ofensiva do regime sírio. Com o apoio militar da Rússia e do Irã, Damasco recuperou 60% do território sírio.

Como demonstração da vitória das forças do regime, soldados do exército sírio e da polícia militar russa, tanques e veículos militares chegaram ao posto de Nasib, na fronteira com a Jordânia.

Iniciada em 19 de junho, a ofensiva de Damasco provocou pelo menos 325.000 deslocamentos forçados, segundo a ONU. Muitas pessoas seguiram para acampamentos perto da fronteira com a Jordânia ou nas Colinas Golã, ocupadas parcialmente por Israel.

Desde sexta-feira à noite, "milhares de deslocados começaram a abandonar a fronteira com a Jordânia para voltar a suas localidades nos sudeste da província de Deraa", explicou à AFP Rami Abdel Rahman, diretor do OSDH.

Mais de 20.000 deslocados voltaram a 13 vilarejos e localidades", disse Rahman.

Após o acordo desta sexta-feira, "o Estado sírio controlará todas as posições que estavam nas mãos dos rebeldes ao longo da fronteira com a Jordânia", afirmou a agência oficial síria SANA.

A trégua prevê o início de um cessar-fogo e que os grupos terroristas entreguem as armas pesadas e de médio calibre em todas as cidades, completou a agência.

"Os que são contrários a estas condições terão que seguir para Idlib (norte da Síria)", explicou a agência, uma condição exigida pelos grupos rebeldes.

O acordo, que acontecerá em três etapas, começou a ser aplicado no leste da região de Deraa, depois se tornará efetivo na capital da província e em seguida no oeste", explicou o porta-voz do comando rebelde, Hussein Abazeed.

O regime sírio parece determinado a assumir o controle do conjunto do país, devastado desde 2011 por uma guerra que provocou 350.000 mortes e deixou milhões de deslocados e refugiados.

ah-rh/tgg/gk/eb/es/fp

Internacional