PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Putin e Trump manterão contatos 'úteis', diz Kremlin

24/07/2018 12h16

Moscou, 24 Jul 2018 (AFP) - O presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega americano, Donald Trump, concordaram em continuar seus contatos "úteis" após a cúpula de Helsinque na última semana - declarou o conselheiro do Kremlin, Yuri Uchakov, nesta terça-feira (24).

Durante um encontro privado de cerca de duas horas na capital finlandesa em 16 de julho, Vladimir Putin e Donald Trump estabeleceram uma rara unidade ao longo de sua entrevista coletiva comum, em especial sobre as acusações de ingerência russa na eleição presidencial americana de 2016, rejeitadas por Moscou.

Chamada de "muito bem-sucedida" por Putin e de "grande sucesso" por Trump, essa primeira reunião bilateral foi duramente criticada nos Estados Unidos, onde as declarações do presidente americano foram consideradas muito indulgentes em relação ao colega russo.

Na quinta-feira passada, Trump anunciou ter convidado Putin a Washington para "continuar o diálogo" e disse estar "ansioso" pela próxima cúpula.

"Durante seu último encontro em Helsinque, os presidentes se puseram de acordo sobre ser necessário continuar esses contatos úteis", declarou Uchakov, na entrevista coletiva, confirmando o anúncio da segunda reunião feito por Washington.

"Alguns dias depois (de Helsinque), a parte americana propôs organizar a próxima cúpula em Washington no fim do ano", afirmou, acrescentando que o convite foi feito pelo conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton.

Segundo a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, discussões "já estão em curso" para um novo encontro. Uchakov afirmou, por sua vez, que o trabalho para estabelecer as modalidades dessa cúpula ainda não começou.

"Os aspectos práticos serão discutidos mais tarde", completou.

Uma reunião entre Bolton e autoridades russas está prevista para agosto, com esse objetivo.

Putin e Trump também poderão se encontrar à margem da cúpula do G20, que acontece no final de novembro em Buenos Aires, acrescentou Uchakov.

Internacional