PUBLICIDADE
Topo

Ruptura de represa deixa centenas de desaparecidos no Laos

24/07/2018 14h33

Bangcoc, 24 Jul 2018 (AFP) - Centenas de pessoas se encontram desaparecidas nesta terça-feira (24) no Laos, e as autoridades temem um grande número de mortos, após a ruptura de uma represa hidroelétrica em construção que submergiu seis aldeias em um dos países mais pobres do Sudeste Asiático.

"O projeto hidroelétrico Xe-Pian Xe-Namnoy desabou", confirmou a empresa Xe Pian-Xe Namnoy Power Company (PNPC), encarregada da construção da represa.

"O acidente foi causado pelas contínuas chuvas que fizeram que grandes quantidades de água se acumulassem", acrescentou.

Dezenas de moradias na zona inundada ficaram totalmente submersas, como mostram imagens aéreas feitas pelas equipes de resgate.

Outras imagens difundidas pela agência oficial mostram dezenas de pessoas amontoadas em barcaças.

"Há vários mortos e centenas de desaparecidos", confirmou a agência oficial do Laos.

Cerca de 6.500 pessoas se encontram ilhadas e as autoridades tentam evacuá-las da zona do acidente.

A Tailândia, país vizinho, enviou reforço de socorristas, mas a zona afetada está rodeada por uma selva muito densa, o que pode complicar as operações.

Situada na província de Attapeu (sudoeste), perto da fronteira com o Vietnã, a represa rompeu na noite de segunda-feira, liberando 5 bilhões de metros cúbicos de água e "deixando vários mortos e centenas de desaparecidos", de acordo com a agência oficial do regime comunista.

O volume de água despejado equivale a mais de dois milhões de piscinas olímpicas.

Quase 24 horas depois da ruptura da represa, as continuam avaliando a magnitude da catástrofe.

"Ainda não temos informações oficiais sobre as perdas ou sobre o número de vítimas", afirmou um funcionário da província de Attapeu.

O primeiro-ministro Thonglun Sisulith se dirigiu ao lugar para supervisionar as operações, segundo informou a agência Laos KPL.

O governo do Camboja disse que está preparado para evacuar os habitantes da província de Stung Trend, fronteira com o Laos, a 70 km da zona do acidente.

- 'Bateria do Sudeste Asiático' -Dezenas de represas estão atualmente em construção no Laos, financiadas majoritariamente pela China. Grande parte da energia hidroelétrica é exportada para os países vizinhos, em particular a Tailândia.

"Dez já estão em operação, entre 10 e 20 ainda estão em obras, e outras dezenas estão na fase de projetos", detalhou à AFP Toshiyuki Doi, da ONG Mekong Watch.

Situada no coração da península da Indochina, o pequeno Estado rural e montanhoso tem como objetivo se converter na "bateria do Sudeste Asiático".

Há anos, as organizações de defesa do meio ambiente manifestaram sua preocupação com essas ambições hidroelétricas do Laos, especialmente pelo impacto das represas no rio Mekong, sua flora e fauna, assim como sobre as populações rurais e as economias locais.

A represa da província de Attapeu, uma obra de mais de 1 bilhão de dólares, está em construção desde 2013.

Por trás desse projeto está a Xe Pian-Xe Namnoy Power Company (PNPC), uma joint venture formada pela companhia tailandesa Ratchaburi Electricity Generating Holding, pela sul-coreana Korea Western Power e a laosiana Lao Holding State Enterprise.

A represa, de 410 megawatts de potência, deveria começar a fornecer energia em 2019, segundo o site da PNPC. Do total, 90% da energia produzida seria exportada para a Tailândia.

Há outro projeto gigante atualmente em curso no Laos. Trata-se da represa hidroelétrica de Xayaburi, construída pelo grupo tailandês CH Karnchang. Seu custo está avaliado em 3,8 bilhões de dólares para uma potência de 1.285 megawatts.

ask-sde/lch/zm/ra/tt/cn