PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Secretário-geral da OEA pede a países latino-americanos sanções contra Venezuela

Venezuelanos na cidade de Pacaraima, fronteira do Brasil com a Venezuela - Edmar Barros/Futura Press/Folhapress
Venezuelanos na cidade de Pacaraima, fronteira do Brasil com a Venezuela Imagem: Edmar Barros/Futura Press/Folhapress

Santo Domingo

28/08/2018 21h27

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, defendeu nesta terça-feira (28), em Santo Domingo, que os países da América Latina apliquem sanções contra o governo venezuelano, que qualificou de "ditadura".

"A prioridade para a Venezuela é que os países latino-americanos apliquem sanções, além de mais sanções da União Europeia e dos Estados Unidos", disse o titular da Organização dos Estados Americanos (OEA) aos jornalistas.

À margem de um foro sobre partidos políticos organizado pelo Parlamento Centro-Americano (Parlacen), Almagro enumerou as atuações da secretaria-geral contra o governo de Nicolás Maduro, entre elas a aplicação da Carta Democrática Interamericana.

"A OEA não tem apenas instrumentos jurídicos e estes instrumentos têm sido aplicados (...). A prioridade para a OEA é que os venezuelanos possam viver em paz e com democracia", disse Almagro.

Uma crise econômica, social e política tem levado milhões de venezuelanos a deixarem o país em direção aos vizinhos. Também nessa terça, Peru, Colômbia e Brasil anunciaram algumas medidas para lidar com os imigrantes que cruzam as fronteiras. No Brasil, o presidente Michel Temer anunciou o envio das Forças Armadas para Roraima, estado que está servindo de porta de entrada para os venezuelanos. 

O secretário-geral assinalou que a OEA também seguirá envolvida na solução da crise da Nicarágua, onde os protestos que pedem a saída do poder de Daniel Ortega já deixaram cerca de 300 mortos desde 18 de abril passado.

"A OEA tem que seguir vinculada ao tema da Nicarágua, o trabalho que está fazendo a CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos) é fundamental (...) para esclarecer a verdade e dar justiça à Nicarágua".

Internacional