Topo

Estados Unidos pede sanções da UE a programa balístico iraniano

03/12/2018 19h02

Washington, 3 dez 2018 (AFP) - Os Estados Unidos pediram à União Europeia (UE) nesta segunda-feira (3) para aplicar sanções contra o programa de mísseis balísticos do Irã, qualificando-o de "ameaça grave e crescente" e a França, por sua vez, chamou o teste de "provocativo e desestabilizador".

Durante o fim de semana, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, acusou o Irã de testar um míssil de médio alcance capaz de transportar múltiplas ogivas e atingir partes da Europa e todo o Oriente Médio.

Disse que o teste violou a Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, que respaldou o acordo nuclear do Irã assinado pelas potências mundiais com a república islâmica.

O Ministério das Relações Exteriores francês também condenou o teste de mísseis iraniano como "provocativo e desestabilizador", e assinalou que está estava em conformidade com a resolução da ONU.

A França "pede ao Irã que cesse imediatamente toda atividade relacionada com mísseis balísticos concebidos para carregar armas nucleares, incluindo todos os lançamentos que usam tecnologia de mísseis balísticos", disse.

Washington pediu que mais países se unam para sancionar Teerã.

"O governo iraniano afirma que seus testes de mísseis têm um caráter puramente defensivo. Não são defensivos", disse à imprensa o enviado especial de Washington, Brian Hook, aos repórteres a bordo do avião de Pompeo enquanto viajava a Bruxelas para uma reunião da Otan.

"Gostaríamos que a União Europeia empregasse sanções que apontem para o programa de mísseis do Irã".

Hook disse que a campanha de "pressão máxima" do presidente Donald Trump sobre Teerã desde que se retirou do acordo nuclear com o Irã "pode ser efetiva se mais nações puderem se juntar a nós nessas sanções".

"É uma ameaça séria e crescente, e as nações de todo o mundo, não apenas a Europa, devem fazer o possível para atacar o programa de mísseis do Irã", acrescentou.

Hook disse que está sendo feito um "progresso" para que os aliados da Otan considerem uma proposta voltada para indivíduos e entidades que desempenham um papel fundamental no programa de mísseis do Irã.

Os Estados Unidos decidiram em maio se retirar do acordo nuclear de 2015 e voltar a impor sanções ao Irã.

Os países da UE denunciaram a medida e estão trabalhando para preservar o acordo nuclear, embora também tenham criticado as posições iranianas em outras questões.