Topo

Uruguai não concede asilo a ex-presidente peruano Alan García

2018-12-03T14:41:00

03/12/2018 14h41

Montevidéu, 3 dez 2018 (AFP) - O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, anunciou nesta segunda-feira que seu governo decidiu negar o pedido de asilo que o ex-presidente peruano Alan García apresentou.

Depois de analisar a documentação fornecida por Lima e pelo candidato ao asilo, o pedido foi negado.

"Em poucas palavras, não concedemos o pedido de asilo", disse Vazquez em entrevista coletiva, ao lado do ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa.

Em função desta negativa, García deixou a embaixada uruguaia em Lima, informou o chanceler peruano, Néstor Popolizio.

"Eu recebi a informação do embaixador (uruguaio) Carlos Barros que (Alan García) já deixou a embaixada", informou Popolizio à rádio RPP em Lima.

García, de 69 anos, pediu asilo na embaixada do Uruguai em 17 de novembro, depois que a justiça peruana proibiu sua saída do país por 18 meses, ampliando a investigação sobre supostas propinas pagas pela empresa brasileira Odebrecht para obter um contrato para construir uma linha do metrô de Lima em seu segundo mandato (2006-2011).

García é submetido a uma investigação preliminar da acusação, mas ainda não é réu. Ele está proibido de deixar o país, mas não possui mandado de prisão.

Alan García fez o pedido de asilo alegando ser vítima de "perseguição política".

Mas Nin Novoa afirma que o governo uruguaio considera que "não constitui perseguição política no caso de imputações relacionadas principalmente a fatos econômicos e administrativos durante suas duas gestões".

"Consequentemente, o embaixador do Uruguai foi instruído a convidar Alan García que se retirasse de nossa representação diplomática", acrescentou.

- Nova investigação -O ex-presidente peruano, que pediu asilo na embaixada uruguaia em Lima há duas semanas, enfrenta uma nova investigação por corrupção, que se soma à de supostas doações da empreiteira Odebrecht, informou a mídia local no sábado.

Segundo a Procuradoria, o então presidente García e outros 21 funcionários conspiraram para "facilitar" que a empresa holandesa APM Terminals vencesse em 2011 a concessão do Terminal Norte do porto de Callao, vizinho a Lima.

Os supostos crimes de "conluio agravado" e "negociação incompatível em ofensa ao Estado" ocorreram nos últimos meses do segundo mandato de García (2006-2011) e entre os investigados destaca-se o então ministro de Transportes, Enrique Cornejo, informou o jornal El Comercio.

"Alan García e outros funcionários 'teriam emitido instrumentos de gestão, dentro dos quais se encontravam os decretos de urgência para viabilizar a concessão (...) e, com isso, favorecer a empresa APM Terminals Callao'", assinalou o jornal, citando um documento da Procuradoria.

"Dois decretos de urgência declararam 33 projetos de investimento como de necessidade nacional", incluindo o do Terminal Norte de Callao.

Apesar de terem sido declarados inconstitucionais meses depois do fim do mandato de García, o contrato de concessão se manteve.

Junto com a entrega da concessão à empresa holandesa, o governo de García deu "uma série de benefícios sumariamente excessivos", como isenções de impostos, o que teria "gerado um prejuízo ao Estado" de 247 milhões de dólares, segundo a Procuradoria.

Nem García nem seus advogados comentaram este novo caso.

mr-fj/lda/rsr