PUBLICIDADE
Topo

Internacional

EUA desmente tentativa de retirar Assad da Síria

17/12/2018 19h55

Washington, 17 dez 2018 (AFP) - Os Estados Unidos garantiram nesta segunda-feira que sua política na Síria não está dirigida a "remover" o presidente Bashar al Assad, mas acrescentaram que só contribuirão com a reconstrução do país caso o regime mude "fundamentalmente".

O representante especial para a diplomacia americana na Síria, James Jeffrey, disse que o regime em Damasco deve estar disposto a "ceder", considerando que ainda não acabou completamente com a guerra após sete anos de combates, e avaliando que persistem no território cerca de 100 mil combatentes opostos ao governo sírio.

"Queremos ver um regime que seja completamente diferente. Não falo em tirar o regime, não tratamos de remover Assad", explicou o emissário no "tink tank" Atlantic Council, em Washington.

Calculando que a Síria precisa de 300 a 400 bilhões de dólares para sua reconstrução, Jeffrey insistiu na postura tradicional das potências ocidentais: não há dinheiro sem uma solução política aceita por todos e sem mudança de comportamento por parte do governo sírio.

"Os países ocidentais estão firmemente decididos a não investir até que tenham o sentimento de que o governo está disposto a ceder para evitar abrir a porta a novos horrores nos próximos anos".

O governo do presidente democrata Barack Obama exigia a saída de Assad, mas após a chegada do republicano Donald Trump à Casa Branca, no início de 2017, a saída do dirigente sírio deixou de ser uma prioridade e passou a depender do "povo sírio".

sct-fff/iba/lr

Internacional