PUBLICIDADE
Topo

Internacional

EUA indiciam hackers chineses por ataques contra vários países

20/12/2018 14h44

Washington, 20 dez 2018 (AFP) - O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou, nesta quinta-feira (20), o indiciamento de dois hackers chineses, acusados de ataques cibernéticos contra empresas em uma dúzia de países em nome de Pequim.

Zhu Hua e Zhang Shilong fazem parte de um grupo conhecido como APT 10, que opera na China "em associação com o Ministério da Segurança do Estado", afirmou o Departamento de Justiça americano.

Entre 2006 e 2018, este grupo liderou "uma campanha global de ataques cibernéticos" para roubar dados confidenciais e segredos comerciais de 45 empresas de 12 países, acrescentou.

"Trata-se simplesmente de trapaça e roubo, e isso dá à China uma vantagem injusta às custas de empresas e países que respeitam as regras internacionais", denunciou o número dois do departamento, Rod Rosenstein, durante coletiva de imprensa.

"Será difícil para a China alegar que não é responsável" por esses ataques, agora que os Estados Unidos tornaram pública uma acusação muito detalhada e precisa, acrescentou Rosenstein.

Nenhum país representa "uma ameaça tão grande e por tanto tempo quanto a China", declarou por sua vez o diretor do FBI, Christopher Wray.

Segundo ele, a China quer "substituir os Estados Unidos como potência líder mundial".

O presidente Donald Trump conduziu uma reaproximação com Pequim e seu "amigo" Xi Jinping no início de seu mandato em 2017, mas, desde então, as relações bilaterais têm sofrido altos e baixos.

Os dois países concluíram recentemente uma trégua em sua guerra comercial.

Mas Washington continua a acusar Pequim de romper um pacto de não-espionagem econômica assinado em 2015 com o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

"Nosso relacionamento com a China é complicado. Eles estão conduzindo operações de espionagem e de influência aqui nos Estados Unidos", disse recentemente o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

No final de outubro, dez cidadãos chineses já haviam sido indiciados pelos tribunais americanos por espionagem econômica contra empresas aeronáuticas francesas e americanas.

pmh/sst/mls/lda/mr/tt

Internacional